Seleccione Edição
Entra no EL PAÍS
Login Não está cadastrado? Crie sua conta Assine

Cinco jovens mortos e cinco gravemente feridos em uma festa techno em Buenos Aires

Médicos acreditam que os jovens consumiram drogas

Agentes da Prefeitura Naval patrulham a área onde cinco pessoas morreram.
Agentes da Prefeitura Naval patrulham a área onde cinco pessoas morreram. REUTERS

Uma nova tragédia numa festa que reunia uma multidão choca a Argentina. Cinco jovens morreram no sábado e outros cinco permanecem em estado muito grave em vários hospitais de Buenos Aires depois de uma festa de música eletrônica com cerca de 5.000 pessoas no Centro Costa Salguero, no bairro de Palermo, confirmaram fontes médicas. As primeiras hipóteses apontam para o consumo de drogas, mas à medida que vão sendo conhecidos detalhes da festa em um local cujo controle depende em última instância da prefeitura de Buenos Aires, governada pelo partido de Mauricio Macri, o presidente, a polêmica cresce.

Cinco pessoas, entre 20 e 30 anos, morreram e cinco permanecem hospitalizadas respirando por aparelhos devido a um possível consumo de drogas durante o festival de música eletrônica Time Warp, segundo informações do diretor do Sistema de Atendimento de Emergências (SAME, na sigla em espanhol), Alberto Crescenti. “Temos de esperar a autópsia e determinar quais substâncias foram consumidas” e “que tipo de mistura fizeram”, disse Crescenti ao canal TN.

Ele também confirmou que os cinco hospitalizados estão “em estado gravíssimo” e estão “tentando reanimá-los”. “Não conseguem respirar sem assistência”, disse o chefe do SAME, que ressaltou que os jovens chagaram aos centros médicos “praticamente em coma”.

A Argentina tem um precedente dramático em 2004, quando 194 jovens morreram em um incêndio na discoteca Cromañón. Essa tragédia levou à queda do então prefeito, Aníbal Ibarra, e mudou completamente a regulamentação dos locais de entretenimento na capital. No entanto, no Twitter há dezenas de mensagem de pessoas que compareceram à festa de sexta-feira à noite dizendo que o Costa Salguero estava lotado e que havia dificuldade de movimentação e até mesmo para conseguir água. Neste tipo de festival, as drogas sintéticas são muito mais consumidas do que o álcool e a organização ganha dinheiro com a venda de garrafas de água, por isso é normal que não haja água disponível nos banheiros para forçar o público a comprá-la engarrafada.

Outro detalhe que está provocando polêmica é o fato de que os serviços de saúde que estavam disponíveis eram particulares, contratados pela organização. Eles não puderam resolver a situação e tiveram de chamar ambulâncias e médicos públicos, que levaram os doentes para os hospitais, mas talvez tarde demais, em alguns casos. “Sendo um evento privado, havia ambulâncias particulares de cobertura, mas quando tudo saiu do controle tiveram de chamar o SAME”, disse Crescenti.

Os pacientes, distribuídos em três hospitais na capital da Argentina, têm cerca de 42 graus de temperatura e arritmia cardíaca. Os incidentes aconteceram dentro do festival de música eletrônica Time Warp, de origem alemã, que percorre vários países e que neste ano veio pela terceira vez à Argentina, acontecendo na sexta-feira, dia15, e no sábado, dia 16 de abril. O segundo dia de festa foi cancelado.

O Costa Salguero é um grande centro comercial, inaugurado em 1994, no qual se realizam diferentes eventos, como espetáculos esportivos, reuniões empresariais e convenções. Lá Mauricio Macri comemorou, por exemplo, sua vitória nas eleições de 22 de novembro. É um lugar enorme sem paredes, teoricamente bem adaptado para um festival como esse, mas os participantes denunciam todo tipo de irregularidade, principalmente por receber mais gente do que sua capacidade. Todos insistem que o consumo de drogas nesse tipo de festival é habitual e são compradas lá mesmo muito facilmente, embora na Argentina sejam ilegais.