Obama na Argentina

Obama pede à Argentina que rompa com a desconfiança do passado

Presidente dos EUA propõe virar a página nas suscetibilidades entre Washington e a América Latina

Obama e Macri, nesta quinta-feira na Argentina.
Obama e Macri, nesta quinta-feira na Argentina.Pablo Martinez Monsivais (AP)

Mais informações

Barack Obama quer concluir seu mandato com uma mudança radical da imagem dos Estados Unidos na América Latina. Em Buenos Aires, coincidindo com os 40 anos de um golpe de Estado realizado com apoio inicial de Washington, o presidente norte-americano propôs um esforço para superar a “desconfiança” que esse passado gerou, garantindo que seu país “aprendeu uma lição” na década de setenta sobre a necessidade de priorizar os direitos humanos em sua política externa.

Obama chegou a Buenos Aires após uma viagem a Cuba que ele mesmo definiu como “histórica”. E desde o primeiro momento quis fazer história também na Argentina, onde sua visita causa polêmica por coincidir com os 40 anos do início de uma brutal ditadura que, pelo menos em seus primeiros anos, foi ajudada pelos EUA. Num aceno aos ativistas argentinos de direitos humanos, que tantas críticas fazem à Casa Branca, Obama recordou que decidiu abrir os arquivos militares sobre aquela época 10 anos antes do prazo previsto em lei, que era de meio século, e defendeu a superação da tradicional “desconfiança” da esquerda latino-americana com relação ao seu país.

Mesmo sem fazer uma crítica contundente ao papel norte-americano nas ditaduras latino-americanas dos anos sessenta e setenta, e muito menos citando nomes como o de Henry Kissinger, polêmico ex-secretário de Estado naquele período, Obama buscou lançar uma mensagem clara às vítimas e a toda a América Latina para que entendam que os EUA já não são mais aquele país que invadia o continente ou influía nos golpes de Estado por intermédio da CIA. Ele chegou até mesmo a dizer que a Argentina serviu “como experiência” para que essa política de apoio a ditaduras fosse descartada.

E, como gesto de mudança, prometeu a quebra do sigilo sobre documentos militares e de inteligência relativos a essa época sombria, além de prestar uma homenagem às vítimas da ditadura.

“Passei muito tempo estudando a história da política exterior dos EUA”, explicou o presidente quando lhe perguntaram se estava disposto a fazer autocrítica sobre o papel de seu país nas ditaduras latino-americanos dos anos 70. “Há momentos de grande glória e outros que foram contrários ao que acredito que deva representar a América. Todo mundo conhece a história. Nos anos 70 houve um amadurecimento, os direitos humanos se tornaram tão importantes como lutar contra o comunismo”, disse Obama, em referência à guinada produzida por Jimmy Carter, que foi crítico sobre as ditaduras latino-americanas e enviou sua secretária de Estado, Patricia Derian, a Buenos Aires, onde teve uma duríssima discussão com o general Emilio Massera na Escola de Mecânica da Marinha (ESMA), ao lado do local onde eram torturados os que depois seriam desaparecidos.

“Uma das grandezas da América é que fazemos muita autocrítica. Não há escassez alguma de autocrítica por parte dos EUA e de seu presidente”, afirmou Obama para se distanciar do passado obscuro de seu país na América Latina. Obama também afirmou que há muitos anos os EUA mudaram seu enfoque de política exterior para defender os direitos humanos. “Sejamos claros. Realizei uma viagem histórica a Havana. Acredito que a democracia é melhor que uma ditadura. Creio na liberdade de expressão e de reunião, e que as pessoas não devem ser detidas de forma arbitrária. E digo a mesma coisa quando estou na China, na Rússia ou para alguns de nossos aliados. Às vezes, são situações bastante incômodas”, insistiu para se desligar do passado.

Ao lado de Obama, um exultante Mauricio Macri, consagrado pela visita como líder regional, agradeceu o gesto de abrir os arquivos. “Todos temos direito de saber a verdade”, afirmou o argentino, agradecendo a decisão de Obama de jogar luz sobre uma das páginas mais assustadoras da história argentina. Também pediu que se olhe para o futuro para quebrar a desconfiança.

Obama reconheceu “a coragem e o heroísmo das pessoas que se opuseram às violações de direitos humanos”, num claro sinal às organizações de direitos humanos, que veem com desconfiança sua presença no país nesta data tão sensível.

Nesta quinta, Obama e Macri prestam juntos uma homenagem às vítimas da ditadura, um novo gesto que se transformou num elemento central da visita, a primeira oficial de um presidente norte-americano à Argentina em 20 anos. No entanto, como prova de que a desconfiança permanece, as organizações de direitos humanos não previam acompanhar Obama nesta homenagem.

De fato, a resistência desses grupos impediram que o presidente dos EUA fizesse esse gesto simbólico de apoio às vítimas na ESMA, o lugar onde se torturavam os detidos, bem perto de uma das principais avenidas de Buenos Aires e ao lado do estádio onde foi disputada a final do Mundial de 1978. Obama ficará sem ver a ESMA, mas quis lançar uma mensagem para tentar mudar a imagem de seu país entre a esquerda latino-americana.