_
_
_
_
_

Outro ano perdido para Balotelli

Atacante havia prometido comportar-se bem, mas tira do sério também o técnico do Milan

Mario Balotelli, atacante do Milan.
Mario Balotelli, atacante do Milan.SERENA CAMPANINI (EFE)

Mario Balotelli havia prometido a Sinisa Mihajlovic que este ano se comportaria bem, que trabalharia, que seria o primeiro a chegar à cidade esportiva do Milan e o último a sair. Que na primeira confusão que arranjasse, diria adeus. O técnico sérvio se reuniu com o atacante italiano em um estacionamento de Florença em agosto. Ninguém o queria (O Liverpool o havia deixado de lado) e Mihajlovic o resgatou.

Oito meses depois, Balotelli acabou de tirar todos do sério novamente. No domingo assistia à partida contra o Chievo do banco. Não voltará a jogar, segundo disse o próprio treinador, até que amadureça e trabalhe para a equipe. Nem sequer a possibilidade de conquistar uma posição para a Eurocopa motivou SuperMario, que está há semanas arrastando-se pelo campo. Concretamente, desde que voltou de uma cirurgia por pubalgia (meados de janeiro).

Mais informações
Depois da farra, Neymar faz a festa no campo
Dunga convoca ‘chineses’ para a seleção brasileira
Horários e classificação das eliminatórias sul-americanas

“Fisicamente daria para jogar… mas Mario tem um problema de cabeça, esse sempre foi seu problema. Se lhe peço que faça uma determinada tarefa [trabalhar sem bola e ajudar a equipe a defender], ele a faz uma vez sim e quatro não, e nós não podemos nos permitir isso. Não sei se poderá dar o salto, depende dele. Nós o ajudamos, mas Mario tem que ajudar a si mesmo. Não quero compará-lo com Mandzukic porque têm características diferentes, mas dá gosto de ver os atacantes da Juve, eles, sim, são uma equipe, ajudam muito, correm e defensivamente trabalham juntos”, disse Mihajlovic no sábado.

Soa como uma sentença de morte. E um outro ano (um mais) perdido para Mario Balotell, aos 25 anos. O Inter acabou ficando farto dele, como também o City e o Liverpool. O Milan fez duas tentativas. Nenhuma funcionou. Desde que regressou após o problema da pubalgia, o atacante italiano só disputou um jogo inteiro (o da Copa contra o Alessandria).

No mais, só jogou pedaços de partidas (158 minutos no total na Liga) e levou um monte de broncas do treinador. A penúltima contra o Genoa há duas semanas. Mihajlovic o posicionou como uma alavanca e o Milan quase perde os três pontos por causa do desleixo de Balotelli na hora de pressionar os rivais. “Aquele que não deixar a alma não vai voltar a jogar”, disse o técnico naquela ocasião.

Mais informações

Arquivado Em

Recomendaciones EL PAÍS
Recomendaciones EL PAÍS
_
_