Eleições Estados Unidos

Donald Trump se recusa a rejeitar apoio da Ku Klux Klan

David Duke, ex-líder do KKK, respalda o candidato às eleições dos EUA, que o aceita se for conveniente

Trump se dirige em tom ríspido à imprensa em 2015.
Trump se dirige em tom ríspido à imprensa em 2015.JONATHAN ALCORN (REUTERS)

MAIS INFORMAÇÕES

Não existe dia tranquilo nos domínios de Trump. Desta vez, a manchete de jornal associa o nome de Donald Trump a um dos grupos e episódios mais obscuros da história dos Estados Unidos. Na manhã deste domingo, o magnata se recusou a rejeitar o apoio de um conhecido supremacista branco e antigo líder da Ku Klux Klan (KKK), David Duke, às eleições dos EUA.

Líder dos Caveleiros da Ku Klux Klan, Duke declarou esta semana em seu programa de rádio que não votar em Trump seria “trair nossa herança”. “Na campanha estão pedindo aos berros por voluntários”, disse o antigo líder da KKK. “Vão lá, vocês vão encontrar pessoas que pensam como vocês.”

Trump se negou por quatro vezes na manhã deste domingo a rejeitar na TV o apoio de Duke ou rechaçar o respaldo de supremacistas brancos. “Não sei nada sobre David Duke”, disse em seu usual tom brusco. “Nem mesmo sei do que você está falando quando diz supremacistas brancos”, respondeu, de cara feia.

Só que na semana passada, no ato de sexta-feira em que o governador de New Jersey, Chris Christie, anunciou seu apoio a Trump, o empresário respondeu a um jornalista que lhe perguntou o que achava do suporte por parte de Duke: “Eu rejeito”, disse.

Trump parece ter memória curta a respeito de conhecer ou não Duke. Em 2000, quando o magnata deu por encerrado seu desejo de participar da corrida pela Casa Branca, ofereceu como razão o fato de que David Duke fosse do Partido Reformista. “O Partido Reformista agora tem um homem da Klan, o senhor Duke; um neonazista, o senhor [Pat] Buchanan; e uma comunista, a senhora [Lenora] Fulani. Não são companhias que eu queira”, frisou.

Duke não é o único a simpatizar com Trump. O líder do Partido Nazista Norte-Americano, Rocky Suhayda, declarou-se em dezembro encantado com o plano de Trump para recusar a entrada de muçulmanos nos Estados Unidos. O editor do site neonazista The Daily Stormer, Andrew Anglin, redigiu texto com o título “Heil Donald Trump, o último salvador”, em apoio a essa proposta. E encerrou assim o artigo, parafraseando o milionário com uma indireta supremacista: “Make America White Again!” (torne brancos novamente os Estados Unidos).

Como se a afinidade de Trump com a extrema-direita não fosse suficiente para o domingo, ele retuitou nesta manhã uma frase do ditador fascista italiano Benito Mussolini e depois se recusou a se afastar dele.

“@ilduce2016: “É melhor viver um dia como um leão que 100 como uma ovelha”,- @realDonaldTrump #MakeAmericaGreatAgain”, tuitou o favorito entre os republicanos à indicação.

“Mussolini é Mussolini”, respondeu ao jornalista que lhe perguntou na rede MSNBC se não se importava em ser associado a um ditador. “O que importa se a frase é de Mussolini ou de outra pessoa?”, disse. “É uma frase muito interessante.” Sem dúvida.

Arquivado Em: