Transição argentina

Funcionalismo público declara greve contra demissões em massa na Argentina

Desde que assumiu, Governo Macri demitiu mais de 26.000 trabalhadores estatais

Manifestantes nesta quarta-feira, em Buenos Aires.
Manifestantes nesta quarta-feira, em Buenos Aires.Ricardo Ceppi

Mais informações

A Argentina amanheceu nesta quarta-feira com uma greve do setor público contra a demissão em massa de mais de 26.000 trabalhadores dos níveis nacional, provincial e municipal ocorrida desde que o presidente Mauricio Macri e seus partidários foram eleitos para diversos cargos, no ano passado. Em janeiro, o presidente justificou as demissões com uma expressão de um desejo: “Que não haja mais argentinos recebendo um salário por algo que não faz”. Na Argentina, os funcionários públicos que ganham sem fazer nada são chamados de nhoques. O ministro da Fazenda, Alfonso Prat-Gay, reforçou a ideia de que parte do aumento de 67% na folha de pagamento da União, das províncias e dos municípios entre a crise de 2002 e 2014 se deveu a empregos dados a militantes kirchneristas: “Não vamos deixar a gordura militante, vamos contratar gente idônea e eliminar os nhoques”.

Mas a Associação de Trabalhadores do Estado (ATE), dirigida por um crítico do kirchnerismo, Hugo Godoy, rejeitou as alegações do Governo de Macri. “A ideia dos nhoques é um argumento para demissões em massa”, repudiou Godoy. “Apontam para uma redução da presença do Estado e para a desestruturação de organismos importantes.” O kirchnerismo acusa o Governo de Macri de perseguição ideológica contra centenas de seus militantes, empregados no setor público, assim como nos 12 anos dos Governos de Néstor e Cristina Kirchner houve alguns funcionários públicos que denunciaram a mesma coisa à Justiça.

A novidade é a limpeza geral na folha de pagamentos do Estado. No Facebook e no Twitter, surgiu um perfil chamado Despedômetro, cujos dados já acumulam a demissão de 26.676 funcionários públicos, sendo 16.697 municipais, 7.109 do Estado nacional e 2.870 das províncias. O Governo Macri demitiu trabalhadores em diversos ministérios, no Centro Cultural Kirchner, em museus nacionais, na Rádio Nacional, na unidade de combate à lavagem de dinheiro, na estatal de armas Fabricaciones Militares e na fábrica de satélites Arsat. Além disso, o ministro da Modernização da Argentina, Andrés Ibarra, anunciou nesta terça-feira que estava analisando outros 25.000 contratos e prometeu mais demissões: “Poderia haver mais demitidos se houver contratos que não cumprem funções específicas ou têm origem na militância financiada com dinheiro público”.

A greve de funcionários começou com um desafio aberto ao novo protocolo que o Governo Macri implantou para proibir os bloqueios viários, principal método de protesto social na Argentina desde a crise de 1998/2002. O sindicato ATE havia prometido ao Executivo que não faria piquetes, mas sim uma passeata em direção ao Obelisco de Buenos Aires. O grupo está cumprindo a promessa, mas militantes da esquerda trotskista, também crítica ao kirchnerismo, interromperam o cruzamento das avenidas Callao e Corrientes enquanto se concentravam para também marchar até o Obelisco. A Polícia Federal, em vez de reprimir o bloqueio, se retirou do local. O próprio secretário de Segurança Interna da Argentina, Gerardo Milman, havia admitido ao EL PAÍS nesta quarta-feira que “haverá tantas interrupções que nem usando toda a polícia bastaria” para desalojá-los.