FutebolOpinião
i

Torcedores ou clientes?

Público nos estádios é sustento espiritual dos clubes, fazendo do futebol objeto de paixão

Mais informações

Dizia Mario Benedetti que um estádio vazio era “o esqueleto de uma multidão”. As costelas ainda não estão aparecendo, mas o futebol já deveria estar atento, pois motivos não faltam. No sábado passado, 10.000 torcedores do Liverpool deixaram o Anfield aos 77 minutos (32 do segundo tempo) do jogo contra o Sunderland. O motivo: um aumento de 77 libras (443 reais) no preço da cadeira cativa na próxima temporada. “Somos torcedores, não clientes”, “sem torcida o futebol não é nada”, lia-se entre os muitos cartazes de protesto. Dias depois, os seguidores do Borussia Dortmund que viajaram a Stuttgart para uma partida da Copa da Alemanha retardaram em 20 minutos sua entrada no estádio, e uma vez lá dentro exibiram faixas com dizeres como: “O futebol precisa ser acessível!”. Não parou por aí. No meio do jogo, a torcida do Dortmund começou a atirar bolas de tênis no campo, em referência aos ingressos habitualmente caros nos grandes eventos do esporte das raquetes. Em Stuttgart, o ingresso para ver o jogo em pé custava um pouco mais de 20 euros (90 reais); sentado, 40. Nos Campeonatos Inglês e Alemão, a lotação dos estádios está em torno de 95%.

Duas torcidas organizadas muito tradicionais, a The Kop, do Liverpool, e a Sudtribune, do Dortmund, acenderam esse pavio e agora podem fazer escola, pois a federação de torcedores ingleses não descarta um protesto geral. A rebeldia das duas organizadas, e de outras que estão por vir, aborda um dos maiores desafios do futebol, o de combinar torcedores e clientes televisivos. Os primeiros dão alma ao esporte, têm um sentido de pertencimento que vai muito além do mero magnata que esteja à frente do clube. Os segundos, fiéis distantes, são o grande mercado, a mina de ouro dos operadores de TV paga, o maná por excelência do setor. Por causa deles são definidos o calendário, as pausas do verão e os horários da temporada; por causa deles as bolas ficam coloridas, e os uniformes, mais berrantes. Os torcedores in loco adaptam seus almoços e jantares, madrugam ou varam a noite, se molham ou suam… Mas tudo tem um limite, sejam os caprichos de um dono cingapuriano de passagem por Valência ou de um financista norte-americano que compra o United sem pisar no Old Trafford.

O dinheiro não pode excluir os torcedores. Eles são o sustento espiritual de cada clube, remetem ao futebol como objeto de paixão, não de consumo. Sem eles não haveria arrebatamentos, e sem frenesi o negócio seria outro, já estaria nas mãos dos bancos. O futebol não é cinema, e não é à toa que as duas formas se misturam mal. No campo não há ficção, tudo é real, direto, emocional. É verdade que o torcedor quer que montem para ele a melhor equipe possível, mas ele já não admite bancar o esbanjamento. Resiste, com toda a razão, a ser um simples item contábil de tubarões financeiros que tomam as decisões na Flórida ou Pequim. Principalmente, como ocorre no Campeonato Inglês, onde a grana televisiva flui como nunca (uns 45 bilhões de reais).

O futebol que não é sentido não é futebol; para o futebol não basta só olhar. O Liverpool e muitos outros nunca caminharão sozinhos… mas não a qualquer preço e de costas para a arquibancada, entre ricaços, agentes e treinadores com interesses comerciais. Coincidência ou não, quando sua torcida deixou o Anfield, o time ganhava por 2 x 0. Acabou levando o empate nos 13 minutos de debandada. Que os outros prestem atenção, inclusive o Campeonato Espanhol, onde é raro ver um estádio lotado. Mas não parece que o assunto preocupe muito os cartolas. Consultada por este jornal, a Liga Espanhola de Futebol afirmou desconhecer a evolução do preço das cadeiras cativas. Um descuido fatal. Como será fatal o erro desses multimilionários que desdenharem dos escudos e só derem atenção à tela da TV.

Se ninguém encontrar a poção que permita conjugar torcedores e clientes, cuidado, cuidado! “Ai do clube que não cultiva santas nostalgias”, alertava o dramaturgo brasileiro Nelson Rodrigues. Cuidado, cuidado. Aquilo que dizia o mestre Benedetti talvez não seja apenas uma metáfora genial.