Mercado da bola

Clubes espanhóis se especializam em contratações baratas de atletas

Clubes gastaram quase 30% menos em contratações do que em 2015

Granada apresenta o goleiro Jesús Fernández (esq.), que chegou por empréstimo, e o atacante David Barral.
Granada apresenta o goleiro Jesús Fernández (esq.), que chegou por empréstimo, e o atacante David Barral.MIGUEL ANGEL MOLINA / EFE

Mais informações

A FIFA publicou na quarta-feira os dados oficiais da última janela de contratações. O gasto na Espanha ficou nos 55.3 milhões de euros, uma queda de 27% em relação a janeiro de 2015. No entanto, o número de jogadores contratados aumentou um 41% e ficou em 114. Em conjunto, os clubes espanhóis gastaram quase 30 milhões de euros mais do que receberam, apesar das 83 vendas registradas, 30% a mais que no ano anterior.

Só 17% dos jogadores que chegaram nesta janela a Espanha em definitivo. 31% foram contratados por empréstimo, 43 em cada 100 chegaram como agentes livres e 9% voltaram de empréstimo.

Ao todo, (ainda faltando fechar o mercado em alguns países asiáticos, sobretudo na China, no final de fevereiro) o mundo do futebol gastou 442.2 milhões de euros em contratos, mais que nesta mesma janela de contratações nos quatro anos anteriores. No entanto, as cinco grandes ligas europeias (Inglaterra, Espanha, Itália, França e Alemanha) reduziram suas despesa sem mais de cem milhões com respeito ao mercado invernal do ano passado, 315.6 milhões de euros contra a 424.5 em 2015.

Debido a las excepcionales circunstancias, EL PAÍS está ofreciendo gratuitamente todos sus contenidos digitales. La información relativa al coronavirus seguirá en abierto mientras persista la gravedad de la crisis.

Decenas de periodistas trabajan sin descanso para llevarte la cobertura más rigurosa y cumplir con su misión de servicio público. Si quieres apoyar nuestro periodismo puedes hacerlo aquí por 1 euro el primer mes (a partir de junio 10 euros). Suscríbete a los hechos.

Suscríbete