‘Truman’, do espanhol Cesc Gay, é o grande vencedor do prêmio Goya

Eleito o melhor filme, o longa também rendeu o prêmio de melhor ator ao argentino Ricardo Darín

O elenco ganhador por 'Truman': o diretor, Cesc Gay, a produtora, Marta Esteban, o ator Ricardo Darín e o roteirista Tomàs Aragay.
O elenco ganhador por 'Truman': o diretor, Cesc Gay, a produtora, Marta Esteban, o ator Ricardo Darín e o roteirista Tomàs Aragay.CLAUDIO ÁLVAREZ

Quando se acendem as luzes depois da projeção de Truman, o espectador não pode deixar de pensar que na alma humana, subjugada pela falta de comunicação e os medos, sempre haverá algo belo. Uns chamam a isso de amizade, outros, amor, alguns terceiros, bondade. Cesc Gray, como cirurgião cinematográfico experiente, coloca o público diante do espelho dos sentimentos, provocando ao mesmo tempo alegria e dor, risos e lágrimas. No sábado, a Academia de Cinema, em sua 30ª entrega dos Prêmios Goya, se rendeu a essa evidência, confirmou as apostas e consagrou Truman, que levou cinco goyas dos seis que disputava. E os maiores: filme, direção, ator, ator coadjuvante e roteiro original. Nadie Quiere la Noche (Ninguém Quer a Noite), de Isabel Coixet, ficou com quatro, e La Novia (A Noiva), de Paula Ortiz, que concorria em 12 categorias, ganhou em duas. Foi justo: Truman é o grande filme espanhol do ano.

Mais informações

Cesc Gray e a produtora, Marta Esteban, colaboraram em seis ocasiões nos últimos 15 anos. Nos dias prévios à cerimônia, Cesc só desejava conquistar o prêmio principal por Esteban, que apostou nele quando decidiu adaptar a obra de teatro Krámpack, seu primeiro filme. Com os dois, a outra dupla: a de Ricardo Darín e Javier Cámara (ex aequo Concha de Plata no festival de San Sebastián, como melhor ator), que levaram seus respectivos cabezones [o apelido dado à estatueta do busto de Goya]. “Os filmes não competem entre si”, disse Fernando León quando recolheu o Goya de melhor roteiro adaptado. “Nem os atores”, complementou Darín.

O argentino foi a estrela internacional que levou a honraria enquanto Juliette Binoche e Tim Robbins aplaudiam da plateia e recebiam algumas alfinetadas do mestre de cerimônias, Dani Rovira. Por sinal, poucos saíram do roteiro – talvez Antonio de la Torre– para dar mensagens políticas. Também nesse ponto Darín esteve no nível que se espera dele: “Façam algo pela cultura, é a única coisa que vale a pena”.

O Goya de Honra foi para Mariano Ozores, cineasta de 89 anos e com 96 filmes, cujo maior mérito, não menor, é ter somado 87 milhões de espectadores.

“O respeitável público”

“Rir é a melhor forma de colaborar para um mundo melhor”, afirmou uma de suas sobrinhas, Emma Ozores, antes de entregar a estatueta ao tio. “Há um ente misterioso e estranho ao qual devo tudo o que consegui: o público, o respeitável público”, disse o cineasta.

As cinco produções espanholas de maior bilheteria de 2015 só tinham um candidato, No Mundo da Lua, que conquistou o prêmio de melhor filme de animação.

A cerimônia teve um grande apresentador, outra vez, com Dani Rovira: divertido, espirituoso (tremendo no dueto musical Nariz contra Nariz com Berto Romero), mas o show nunca alcançou um bom ritmo. A famosa arrancada tão alardeada como excepcional, e que se transformou em um suflê murchado, marcou o início da cerimônia: não decolou. E voltaram a repetir-se números que emperraram o ritmo e eternos agradecimentos que até mesmo chegaram a ser cortados pelos organizadores da premiação. Nem sequer Antonio Resines, em seu primeiro discurso como presidente, preencheu as expectativas. Esquizofrênica entre qualidade e quantidade, a cerimônia avançou como um chiste interruptus, e o esperado momento emotivo de Joan Manuel Serrat cantando Los Fantasmas del Roxy passou como uma apresentação a mais. Que não era. Afinal, estavam sendo completados 30 anos da premiação. Decerto, um dos vencedores da festa foi o surpreendente smoking do líder do Podemos, Pablo Iglesias.

Somente alguns pontos emotivos entre tantos outros de alinho. Miguel Herrán, melhor ator revelação, olhou para seu diretor em A Cambio de Nada (Em Troca de Nada) Daniel Guzmán, no final de seu discurso e lhe disse: “Você me deu uma vida”. Algo parecido declarou minutos depois o próprio Guzmán, vencedor como melhor diretor revelação, ao apontar sua avó (que não ganhou como atriz revelação) de 93 anos, e prestar homenagens a quem deu força ao neto quando era alguém sem rumo.

Nos próximos 30 anos alguns voltarão à cerimônia. Pode ser que o compositor Lucas Vidal, que levou duas estatuetas (e por dois filmes diferentes). Provavelmente, um membro da família Gutiérrez Caba, porque no sábado a representante da sexta geração dessa saga de atores, Irene Escolar, levou o cabezón como melhor atriz revelação. Ou Natalia de Molina, segundo goya em três anos. Nenhuma havia nascido em 17 de março de 1987, quando nasceram os primeiros goyas.

Mais informações

Arquivado Em

Recomendaciones EL PAÍS
Recomendaciones EL PAÍS
Logo elpais

Você não pode ler mais textos gratuitos este mês.

Assine para continuar lendo

Aproveite o acesso ilimitado com a sua assinatura

ASSINAR

Já sou assinante

Se quiser acompanhar todas as notícias sem limite, assine o EL PAÍS por 30 dias por 1 US$
Assine agora
Siga-nos em: