Líder do Estado Islâmico adverte que vai atacar Israel em breve

Al-Baghdadi afirma que os bombardeios da coalizão e da Rússia não danificaram suas forças

O líder do EI, Abu Bakr al-Baghdadi, em julho de 2014 no Iraque.
O líder do EI, Abu Bakr al-Baghdadi, em julho de 2014 no Iraque.Uncredited / AP

Mais informações

O líder do Estado Islâmico (EI), Abu Bakr al-Baghdadi, ameaça atacar diretamente Israel. Em uma mensagem gravada em uma fita e divulgada através de contas de Twitter normalmente usadas pelos jihadistas, o chefe do califado diz: “Com a ajuda de Alá, estamos chegando cada vez mais perto de vocês. Os israelenses nos encontrarão em breve na Palestina. Já não se trata de uma guerra contra os cruzados. O mundo inteiro está lutando contra nós agora”. Não se sabe a identidade do autor da gravação ou da data em que foi feita, mas parece ser posterior ao início dos bombardeios russos na Síria, nem do motivo pelo qual Israel é citado tão diretamente, segundo o jornal Haaretz.

“Os israelenses pensam que esquecemos a Palestina, e que conseguiram que não nos ocupássemos do assunto. Não é assim. Não esquecemos da Palestina em nenhum momento”, diz na gravação atribuída a Al-Baghdadi, a primeira desse tipo divulgado desde maio passado. Informes não confirmados tinham dito que o líder máximo do Califado poderia estar doente ou ferido.

O fundador do EI também garante que os ataques dos Estados Unidos e da Rússia não atingiram suas fileiras. “Confiamos que Deus concederá a vitória àqueles que rezam para ele. Nosso Estado está resistindo bem. Quanto mais intensa a guerra contra nossos inimigos, mais puro e mais forte será nosso Estado”.

Al-Baghdadi também ataca, na fita, a Arábia Saudita e sua iniciativa de forjar uma coalizão islâmica para combater o EI. “Se fosse realmente uma coalizão islâmica terá se separado de seus mestres cruzados e judeus, e teria estabelecido como meta matar os judeus e libertar a Palestina”.

Debido a las excepcionales circunstancias, EL PAÍS está ofreciendo gratuitamente todos sus contenidos digitales. La información relativa al coronavirus seguirá en abierto mientras persista la gravedad de la crisis.

Decenas de periodistas trabajan sin descanso para llevarte la cobertura más rigurosa y cumplir con su misión de servicio público. Si quieres apoyar nuestro periodismo puedes hacerlo aquí por 1 euro el primer mes (a partir de junio 10 euros). Suscríbete a los hechos.

Suscríbete
O mais visto em ...Top 50