Seleccione Edição
Login

O levante das ocupações das escolas deixa São Paulo rumo a Goiás

Estudantes deixam as escolas em São Paulo, enquanto Goiás contabiliza 22 ocupadas

Desde que Geraldo Alckmin, governador de São Paulo, anunciou a suspensão da reorganização escolar, os estudantes paulistas começaram a sair, ainda que aos poucos, das 200 escolas que chegaram a ser ocupadas no auge do movimento. Até segunda-feira, prometem que quase todas as unidades estejam vazias. Mas o levante das ocupações se deslocou para o centro-oeste do Brasil, e chegou ao Estado de Goiás.
Aluna da escola ocupada Fernão Dias, em SP.
Aluna da escola ocupada Fernão Dias, em SP. Folhapress

Lá, os secundaristas se opõem a três planos do governador Marconi Perillo (PSDB): o de fechar as escolas que funcionam em período integral, o repasse da administração de algumas escolas públicas para as Organizações Sociais (OSs) e o de outras para a secretaria de Segurança Pública, na chamada militarização escolar. Na prática, os militares assumiriam a direção, mas a parte pedagógica continuaria sob a responsabilidade da secretaria de Educação. Implanta-se a disciplina da cartilha militar para os alunos, e, na maioria dos casos, cobra-se uma "contribuição voluntária" em forma de "mensalidade" e "matrícula". Contra essas três políticas do governo goiano, o movimento de ocupações dos estudantes que foi iniciado na semana passada, contabilizava, até o fechamento desta reportagem, 22 unidades ocupadas.

Segundo a secretaria de Educação de Goiás, o objetivo de passar a administração das escolas públicas para as mãos das OSs é, com isso, tentar recuperar o rendimento das unidades que está aquém do esperado. Trata-se, segundo a Secretaria, de um projeto piloto, que será implementado já a partir de janeiro em 23 escolas da macrorregião de Anápolis, que abrange 11 municípios. Se der certo, posteriormente outras 200 escolas passarão pela mudança.

A Secretaria afirma que foi feito um estudo que comprova que as escolas administradas por OSs podem ter seus rendimentos melhorados. Mas disse que, por se tratar de um documento interno, a reportagem não teria acesso a ele.

Os estudantes, por sua vez, argumentam que essa plano pretende privatizar as escolas. "Somos contra a terceirização da educação, que, de certa forma, significa a privatização da educação", disse Daiane Macedo, aluna do Instituto de Educação de Goiás, ocupada há uma semana. Mirza Toschi, doutora em Educação e professora da Universidade Estadual de Goiás, concorda com os alunos. "Isso é inconstitucional", diz. "A Constituição institui que a gestão da escola pública deve ser democrática. E o primeiro princípio que as OSs descumprem é esse."

Sobre o fechamento das escolas de período integral, outra questão à qual os estudantes se opõem, o Governo argumenta que a única escola fechada foi a Professor José Carlos de Almeida, no ano passado, por "falta de aluno". Até hoje o prédio está vazio e fechado. Os estudantes temem que o mesmo ocorra com outras unidades. Mas a secretaria afirmou para a reportagem de EL PAÍS que não tem previsão de fechar nenhuma escola.

A terceira questão que levou à onda de ocupações no Estado, a militarização das escolas, é, segundo o Governo, uma demanda da comunidade. Sob o argumento de que as escolas militares têm mais qualidade, a secretaria afirma que trata-se de um anseio de pais e alunos. A primeira escola militar de Goiás surgiu na década de 1980. Hoje, são 25 no total, sendo que somente em outubro deste ano, foram militarizadas oito escolas.

Embora em Goiás as demandas sejam diferentes das dos alunos paulistas, há um ponto em comum: a falta de diálogo. Em ambos os Estados, os secundaristas reclamam da verticalidade das decisões do Governo. "Não houve nenhum diálogo com a gente", diz Daiane. "Simplesmente disseram 'tá terminando o ano, quando vocês voltarem de férias, as coisas estarão assim.'"

A secretaria de Educação de Goiás diz que houve conversas, e que, após o inícios das ocupações das escolas, os técnicos do órgão estão visitando as unidades para "esclarecer as dúvidas" dos pais e alunos.

As festas de fim de ano serão a prova de fogo para os estudantes, que prometem resistir. "Ficaremos ocupando até que o Governo do Estado retroceda na pauta das OSs, dê atenção às escolas de tempo integral e não militarize mais escolas", diz Daiane Macedo. "Estamos construindo o Natal solidário. Não vamos sair." A rotina nas escolas ocupadas é parecida com a adotada pelos estudantes paulistas: eles cuidam dos prédios, realizam atividades como aulas de circo e ioga, fazem debates sobre feminismo, política e organizam eventos culturais.

MAIS INFORMAÇÕES