Epidemia de Ebola na África

Epidemia de ebola volta com o surgimento de novo caso na Libéria

O misterioso contágio de uma criança acaba com a esperança de eliminar surto este ano

Um familiar da criança infetada, em Monrovia.
Um familiar da criança infetada, em Monrovia.Abbas Dulleh (AP)

Um novo caso de ebola, surgido em um bairro populoso de Monróvia, capital da Libéria, jogou por terra todas as esperanças de considerar superada a epidemia antes do final deste ano. Também fez surgirem muitas dúvidas a respeito da resistência do vírus em pacientes curados. O novo caso é de um menino de 10 anos, que mora em Paynesville e cujos testes para o ebola deram positivo na sexta-feira passada, informação confirmada pela Organização Mundial de Saúde (OMS). Tanto ele quanto seus pais e três irmãos foram levados para um centro de tratamento, pela possibilidade de que algum deles desenvolva a doença. A Libéria tinha sido declarada livre do ebola no dia 3 de setembro.

Mais informações

“Por ora não sabemos muito mais. Há uma investigação em curso, e esperamos saber mais nas próximas horas”, declarou o porta-voz da OMS, Gregory Hartl. Entre as possibilidades examinadas sobre a forma de contágio se destaca a de que o garoto possa ter entrado em contato com algum paciente já curado e que este tenha lhe transmitido o vírus, ou com alguma pessoa doente que não foi diagnosticada. Sabe-se que o vírus pode resistir por meses no sêmen dos sobreviventes, mas a comunidade científica não tem todas as respostas a respeito de sua possível reaparição em pessoas sadias que tenham estado contagiadas.

A epidemia que surgiu em dezembro de 2013 na África Ocidental contagiou mais de 28.000 pessoas e levou mais de 11.000 à morte em quase dois anos, afetando especialmente a Guiné –onde, segundo os cientistas, começou o surto-, Serra Leoa e Libéria, tendo havido casos também no Mali e na Nigéria, e, de forma pontual, no Senegal, Espanha e Estados Unidos. Depois de chegar ao auge em meados de 2014, a epidemia foi perdendo força progressivamente. No dia 3 de setembro deste ano, a Libéria foi declarada livre do ebola. No dia 7 de novembro foi a vez de Serra Leoa, e a Guiné se tornou o último país a ter casos ativos no dia 17 de novembro, depois da cura de Nubia, um bebê de apenas 21 dias.

As autoridades sanitárias mundiais e africanas já tinham iniciado a contagem regressiva de 42 dias para declarar de una vez por todas finalizada a epidemia de ebola no dia 28 de dezembro. O novo caso surgido na Libéria representa a reativação do surto, que vai completar mais de dois anos.