Seleccione Edição
Login

O ultraconservador sócio brasileiro de Donald Trump

Paulo Figueiredo constrói hotel de luxo que levará a marca Trump à Barra de Tijuca, no Rio

Paulo Figueiredo e Donald Trump.
Paulo Figueiredo e Donald Trump.

O sócio brasileiro de Donald Trump, batizado por João Paulo II há 33 anos, é neto do último presidente do regime militar brasileiro e esta é sua carta de apresentação: “Quando eu nasci meu avô era presidente da República. Conheci [Ronald] Reagan, Bill Clinton, cresci minha vida inteira cercado de deputados e governadores e conheci todos os presidentes do Brasil. Uma coisa que meu avô me ensinou foi que somos todos iguais. Nunca nenhum homem do mundo me intimidou”. Paulo Figueiredo Filho, neto de João Baptista de Oliveira Figueiredo (1979-85), que preparou o Brasil para a abertura democrática, é o que o brasileiro chamaria de um cara de ultradireita, embora ele prefira o termo “conservador liberal”. Atraído pelo jornalismo em seus primeiros anos de faculdade, acabou cursando Economia e fez fortuna com empreendimentos na Barra de Tijuca, o oásis do mercado imobiliário no Rio de Janeiro.

Após “duros embates na negociação”, Figueiredo e Trump se aliaram em 2013  para a exploração de um hotel de super luxo na Barra cuja construção alcançou os 120 milhões de dólares. E não, as reações causadas pelos discursos viscerais de Trump contra a imigração latina nos EUA não chegaram ao Brasil. Mesmo antes de ser inaugurado, o Trump Hotel, com vista para o Atlântico, chão de mármore importado da Turquia e papel de parede holandês, já tem todos os 170 quartos reservados para as Olimpíadas de agosto de 2016. Todos menos um. A suíte presidencial, à disposição por um milhão de dólares, ainda pode ser sua durante os 20 dias dos Jogos. “Eu sou latino e Donald Trump me trata estupendamente. A quantidade de latinos que trabalham para ele é imensa, as babás dos netos dele são mexicanas... Essa imagem de racista que tentam construir não existe”, afirma o jovem no seu escritório em um dos prédios comerciais de mais alto nível da Barra.

O Rio de Janeiro é hoje a maior porta de entrada de Trump para a América Latina, onde o empresário mantém ainda uma tímida presença: ele opera um hotel de luxo no Panamá e deu seu nome a uma torre residencial, ainda em construção, na badalada Punta del Este, no Uruguai. No Rio, está em marcha também o que, segundo o prefeito Eduardo Paes (PMDB) diz, poderia ser o maior investimento imobiliário da cidade: um bilionário complexo de cinco torres comerciais de 150 metros de altura. A sintonia entre a administração carioca e a família Trump foi encenada em 2012, quando Paes e Donald Trump Jr., filho do magnata e vice-presidente da Trump Organization, anunciaram juntos a construção das Trump Towers. O megaprojeto será "o maior desenvolvimento urbano de escritórios dos países BRICS” e uma alavanca do Porto Maravilha, promessa urbanística do prefeito para revitalizar, de uma vez, o porto do Rio, uma das regiões mais degradadas da cidade.

“Esse projeto é algo fantástico para nós e para o Brasil, que está surgindo no mercado internacional e que agora entra no mercado de alto luxo. Agradecemos o apoio e planejamos voltar muitas vezes. O Brasil é um mercado extremamente importante para nós e estava ansioso para entrar”, disse Donald Trump Jr. na ocasião. O pai, no entanto, inclui o Brasil nos seus discursos de uma maneira bem diferente. A última das suas polêmicas declarações fez referência a sua intenção de devolver aos Estados Unidos os empregos que as grandes empresas levaram para o exterior e acusou o Brasil de “roubar” empregos dos estadounidenses. Em fevereiro Trump já tinha colocado o Brasil na lista de países que se “aproveitam” dos EUA, ao lado do México e da China.

Contudo, os escritórios com a marca Trump não ficarão prontos para as Olimpíadas como foi prometido. As licenças ainda estão em tramitação e os prazos são um segredo que nem a Prefeitura nem as responsáveis pela obra, a incorporadora paulista Even e a búlgara MRP International, querem revelar. Quem conhece o projeto afirma que pode ser que o complexo não veja a luz até 2020.

O Trump Hotel já têm todos os 170 quartos reservados para as Olímpiadas. Todos menos um. A suíte presidencial, à sua disposição por um milhão de dólares, ainda pode ser sua durante os 20 dias dos Jogos.

O hotel sim avança a velocidade de cruzeiro, e deve estar pronto em março. Nesse tempo, o republicano e Figueiredo, que afirma participar de entre 10 e 15 cursos de tiro todo ano, encontraram sinergias além dos negócios. O jovem conta que almoçava com a filha de Trump em um dos seus campos de golfe na Flórida para ultimar os detalhes do contrato quando um gigantesco helicóptero aterrissou. Dele desembarcou o pré-candidato. “Ele me cumprimentou e estava indo embora até que Ivanka lhe disse que meu avô tinha sido presidente do Brasil. Aí ele pegou uma cadeira e se sentou", relata Paulo. "'Me conta mais’, me disse”.

Os dois sócios falam mais de política que de negócios e compartilham posições nos assuntos mais espinhosos que fizeram de Trump um extremista até para os próprios republicanos. Figueiredo, preocupado com a segurança até o ponto de não sair para passear pela praia com sua filha recém nascida, defende a visão de quem considera o “empresário mais conhecido do planeta” (diz ter lido todos seus livros) que chegou a anunciar a construção de um enorme muro para fechar a fronteira com o México. “As declarações dele foram deturpadas. Os EUA vivem um problema sério de imigração. No seu discurso ele não disse que os mexicanos são criminosos, mas que o Governo mexicano está mandando criminosos, e está”, justifica. “A mídia hoje passa por um problema de viés ideológico à esquerda que não se reflete na ideologia da população”. A conversa, não em vão, está sendo gravada por ambos. No caso do entrevistado, para ter certeza de que a reportagem não deturpa suas declarações.

Há quem queira comprar o jornal na banca de casa, outros curtem do condomínio e de pegar o carro. Eu, pessoalmente, não gosto de cidades nas que existe essa convivência tão grande com o espaço público.

Paulo, muito engajado politicamente, diz ter previsto os índices de inflação, de desemprego e queda do PIB que hoje enfrenta o Brasil, palpite que diz ter compartilhado com Trump. Nove anos atrás, com apenas 24 anos, Paulo trabalhou na equipe do prefeito Paes na secretaria estadual de Turismo e, depois, foi um dos assessores na Casa Civil do pré-candidato à prefeitura, Pedro Paulo Carvalho, hoje envolvido em um escândalo de violência doméstica. Na época ele cuidou de dois importantes projetos na administração: a Copa, “um péssimo negócio para o Brasil”, e a candidatura da cidade para as Olímpiadas. Nascido e criado na Barra de Tijuca, que segue uma urbanização criticada por urbanistas por se desenvolver portas adentro dos condomínios, Paulo defende o modelo. “As pessoas buscam viver onde mais qualidade de vida elas têm. Há quem queira comprar o jornal na banca de casa, e há quem curte condomínio e pegar o carro. Eu, pessoalmente, não gosto de cidades nas quais existe essa convivência tão grande com o espaço público. Os condomínios tiveram sucesso na Barra, porque o Rio é violento”, diz. “Eu moro em um condomínio, porque passeio com minha filha como se eu estivesse na Suíça”.

Trump também acredita no potencial da região. Sua assessoria em Nova York considera que a Barra "está pronta para emergir como o coração do Rio de Janeiro". A última vez em que Paulo Figueiredo e Donald Trump demonstraram convergência de opiniões foi após os atentados terroristas em Paris que causaram a morte de 129 pessoas. Enquanto Trump dizia no Texas que se as pessoas “pudessem ter armas na França, a situação teria sido diferente”, o carioca escrevia no seu Facebook: “Pobres civis franceses desarmados pelos governos de esquerda. Apavorados com terroristas armados nas ruas, o máximo que podem atirar-lhes é uma baguete ou um pedaço de queijo brie”.

Trump teste: O que você pensa sobre...?

Casamento gay: "O casamento não deveria ser atribuição do Estado e não deveria haver problema se duas pessoas querem se casar".

Aborto: "Radicalmente contra. Talvez em 20 ou 30 anos consideraremos o aborto uma aberração maior que o Holocausto. O feto é um indivíduo".

Cotas raciais: "Radicalmente contra. Não existe raça, somos todos da raça humana. Racismo é separar as pessoas por cor. A dívida histórica e social não existe".

Feminismo: "Você é a jornalista mais bonita que já me entrevistou. Você acha que se você tivesse pelo no sovaco seria uma entrevista igual de agradável?"

"O pelo no sovaco não tem nada a ver com o feminismo", responde a repórter.

"Eu não entendo a pauta feminista, de verdade.Como conservador liberal concordo com diretos iguais, mas já temos. Não acredito que o Brasil tenha uma cultura machista. As mulheres aqui são idolatradas". 

Armamento da população: "Totalmente favorável. O cidadão tem direito de se defender, e sua proteção não deve ser exclusiva da polícia, pelo mesmo motivo que você tem um extintor em casa, e não depende exclusivamente dos bombeiros". 

Movimento Brasil Livre: "Acho que eles são incríveis, mas eles não estão escolhendo o caminho certo pedindo aos políticos para resolverem o problema. Eles devem mostrar ao Governo quem é quem manda e tomar medidas mais sérias como as dos caminhoneiros".

MAIS INFORMAÇÕES