Pyongyang

Golfinhos, parques e casas: a nova cara próspera da miserável Coreia do Norte

Com recuperação econômica, regime inaugura centros de lazer, mas fome segue problema

Uma família assiste a um espetáculo no aquário de Pyongyang.
Uma família assiste a um espetáculo no aquário de Pyongyang.ED JONES (AFP)

O golfinho “Pyongyang 4” acaba de acertar a soma de 5+3 e fez soar o apito 8 vezes. Os 1.500 espectadores do espetáculo do aquário Rugna, na capital norte-coreana, aplaudem entusiasmados. Nos arredores da cidade, o aposentado Kim Yu-chol, de 63 anos, passeia com seus netos no Parque Folclórico, um parque temático que recria a história do país em versão oficial. “Graças à liderança do Partido dos Trabalhadores podemos ver esta enorme riqueza cultural. Estou feliz de poder desfrutar disso com minha família”, declara Kim.

Mais informações

O aquário e o Parque Folclórico são, assim como o cinema 3D, o centro equestre e o cruzeiro pelo rio Taedong, algumas das novas opções de entretenimento que há três anos começaram a se multiplicar em Pyongyang, construídas por ordem de Kim Jong-un.

Não são as únicas novidades na paisagem da capital norte-coreana. Pyongyang vive um “boom” de construção. Em 2014 foi inaugurado um bairro inteiro de arranha-céus, Changjon, com 18 gigantescos edifícios construídos em apenas um ano. E, bem a tempo para o 70º aniversário do Partido dos Trabalhadores que o regime comemorou a todo vapor no último fim de semana, foi concluído um gigantesco complexo de moradias com vista para o rio destinado a abrigar cientistas e acadêmicos, a “Rua dos Cientistas Mirae”.

“As coisas estão mudando a uma velocidade que surpreende até a nós mesmos”, afirma o senhor Han, funcionário do Ministério de Relações Exteriores.

A Coreia do Norte atravessa uma etapa de recuperação econômica, graças em parte ao surgimento de uma economia informal que o regime tolera depois da quebra do sistema de cotas como resultado da fome dos anos 1990. Também contribuem a venda de matérias-primas para a China e os recursos que vêm dos trabalhadores norte-coreanos enviados – muitos em condições bastante precárias – como mão de obra ao exterior.

Uma série de incipientes reformas econômicas, que aplicam alguns princípios de mercado na agricultura e no comércio, “parecem ter elevado o padrão de vida de uma parcela dos norte-coreanos comuns”, reconhecia um relatório do Serviço de Investigação do Congresso dos Estados Unidos em julho. Segundo o Banco Central sul-coreano, o vizinho do norte cresce a um ritmo de 1% anual.

Os sinais de prosperidade na capital – onde só podem morar os mais alinhados com o regime – são onipresentes. Muitos cidadãos comuns carregam um celular. A Koryolink, rede de telefonia móvel propriedade da Orascom – uma joint venture da estatal Corporação de Correios e Telecomunicações e da companhia egípcia Global Telecom Holdings – tem mais de 2 milhões de assinantes. Os carros, uma raridade até poucos anos atrás, são cada vez mais numerosos. Há fartura de táxis, operados por quatro companhias diferentes; apesar do preço básico de 7,5 reais por bandeirada, a maioria dos residentes só recorre a eles em casos de extrema necessidade.

Com a nova prosperidade começou a surgir uma incipiente classe média, formada por gente com bons contatos na hierarquia, mas também por gente que aprendeu a fazer negócios. São os donju, ou os “donos do dinheiro”. Vão aos restaurantes mais modernos, lotam os cinco cinemas de Pyongyang, podem assistir a concertos e começaram a moda de tomar café.

Mas o crescimento começou a criar desigualdades e acentuar as diferenças entre a privilegiada Pyongyang e o restante do país. Segundo a ONU, 18 milhões de norte-coreanos, 70% da população, não têm a segurança alimentar garantida, e 28% das crianças menores de 5 anos sofrem de raquitismo devido à má alimentação.

Essa situação pode piorar com a grave seca. Um relatório da FAO adverte que a produção de grãos pode cair 14%, de 4,3 milhões de toneladas em 2014 para 3,7 milhões este ano, uma quantidade insuficiente para alimentar todo o país.

É uma realidade que põe em questão a necessidade de um parque de diversões ou uma estação de esqui. No aquário, cada um dos 10 animais consome 10 quilos de peixe por dia. A água marinha de que necessitam vem através de uma tubulação de 70 quilômetros de extensão conectada com o porto de Nampo, algo que a encarregada de atendimento ao cliente, Jon Suk-yong, admite que “custa muito dinheiro”.

No entanto, ao ordenar esses projetos, Kim Jong-un não introduz nenhuma novidade nas prioridades do regime. Só tem mais recursos para realizá-las.

Seu pai e predecessor, Kim Jong-Il, já dizia em 2004 em seu livro Sobre a Arquitetura: “as casas de qualidade são um pré-requisito para a vida feliz e harmoniosa do povo, as fábricas são indispensáveis para a produção de máquinas e vestuário e os teatros, os cinemas, os parques e lugares recreativos são necessários para a vida cultural popular”.