Cerveja

AB Inbev e SABMiller controlarão um terço das vendas de cerveja

Esta é a sexta maior aquisição na história corporativa mundial

As cervejas Budweiser e Peroni Nastro Azzurro terão o mesmo dono. A multinacional Anheuser-Busch InBev conseguiu, finalmente, concluir o acordo com a concorrente SABMiller para assumir suas operações, depois de fazer uma oferta que a avalia em 106 bilhões de dólares (398,2 bilhões de reais). A companhia conjunta controlará um terço do mercado mundial, mas precisará se desfazer de algumas marcas para superar as exigências das autoridades antitruste.

Mais informações

A negociação sobre cifras começou há um mês, embora a possibilidade de fusão já estivesse sobre a mesa havia anos, como parte atual do processo mundial de consolidação do setor, no qual a AB InBev é líder. A SABMiller, número dois, soube se impor e conseguiu um aumento da oferta após várias rejeições. O grupo presidido pelo brasileiro Carlos Brito pagará à vista 44 libras esterlinas (251,97 reais) por cada uma das ações da concorrente. Isso representa uma valorização de 50% sobre o valor médio de mercado em meados de setembro, antes que a primeira oferta fosse formalizada.

A compra da empresa britânica a esse preço é a maior aquisição corporativa de 2015 e uma das seis maiores da história. É um valor semelhante ao que os acionistas da Philip Morris pagaram para assumir o controle da empresa em plena bolha do crédito. É também a maior operação empresarial já feita no Reino Unido, superando amplamente os 264,9 bilhões de reais que, pelo câmbio atual, a Royal Dutch Shell desembolsou pelo BG Group.

Os números são enormes. A nova AB InBev SABMiller terá uma capitalização em Bolsas próxima de 275 bilhões de dólares, suficiente para colocá-la entre as 10 maiores companhias de capital aberto do mundo. Em sua carteira combinará quase 400 marcas de cerveja, como Corona, Stella Artois, Grolsch e Pilsner Urquell. O faturamento somado das duas empresas é de 55 bilhões de dólares por ano, o que faz do conglomerado pós-fusão uma das maiores companhias de consumo do mundo.

A AB InBev conta com 16 cervejas que geram faturamento superior a um bilhão de dólares cada uma. A integração com a SABMiller lhe permitirá controlar 30% das vendas de cerveja em escala global, além de ser um ator dominante nos EUA, com 70% do mercado. A empresa combinada ocupará também o primeiro ou o segundo lugar em 24 dos 30 maiores mercados do mundo. Pelos termos da fusão, os lucros serão divididos em partes iguais.

Os analistas de Wall Street acreditam que o valor da SABMiller é adequado e esperam que os proprietários da empresa britânica, entre os quais se encontram o grupo Altria e a Bevco como maiores acionistas, darão seu aval. A proposta vai acompanhada de uma alternativa que implica um pagamento parcial em ações, limitada a 41% dos títulos da SABMiller, uma estratégia voltada a contentar a Altria (multinacional do tabaco com sede nos EUA) e a Bevco (da família colombiana Santo Domingo). Os acionistas da empresa adquirida têm o direito de nomear diretores, mas não poderão vender suas ações durante cinco anos.

As duas multinacionais, cuja sede conjunta será na Bélgica, precisam unir forças para compensar a queda mundial nas vendas, especialmente em países emergentes como o Brasil e a China. A queda de 20% no valor da britânica, junto com os juros historicamente baixos, fez com que a AB InBev movesse suas fichas. Mas, se as últimas duas semanas de negociação foram intensas, mais complicado será convencer os órgãos reguladores para que deem seu aval à operação. Para isso, as empresas terão de fazer concessões. Entre elas estaria o fim da parceria da SABMiller com a canadense Coors e a chinesa CR Snow.

O mercado observa agora o que farão as rivais Heineken e Calsberg para não ficarem de fora do processo de consolidação, já que a opção de se fundirem com a SABMiller se fechou. Elas poderiam ser as principais interessadas em assumir os ativos dos quais a InBev-SABMiller precisar se desfazer por questões regulatórias. O acordo contempla uma provisão de três bilhões de dólares como compensação à britânica caso a fusão seja reprovada.

Debido a las excepcionales circunstancias, EL PAÍS está ofreciendo gratuitamente todos sus contenidos digitales. La información relativa al coronavirus seguirá en abierto mientras persista la gravedad de la crisis.

Decenas de periodistas trabajan sin descanso para llevarte la cobertura más rigurosa y cumplir con su misión de servicio público. Si quieres apoyar nuestro periodismo puedes hacerlo aquí por 1 euro el primer mes (a partir de junio 10 euros). Suscríbete a los hechos.

Suscríbete