Estados Unidos indenizarão as vítimas de ataque a hospital no Afeganistão

Pentágono admite que o bombardeio foi um erro na cadeia de comando

Madri -
O centro hospitalar depois do ataque.
O centro hospitalar depois do ataque.NASIR WAQIF (AFP)

O Pentágono anunciou que os Estados Unidos pagarão indenizações aos civis feridos e aos familiares dos mortos no ataque americano contra um hospital da ONG Médicos Sem Fronteiras (MSF) em Kunduz (Afeganistão).

“O Departamento [de Defesa dos EUA] acredita que precisa encarar as consequências do trágico incidente em Kunduz", afirmou o porta-voz do Pentágono, Peter Cook. “Um passo que o Departamento pode dar é fazer pagamentos por condolências aos civis não combatentes feridos e às famílias de civis não combatentes que foram mortos como resultado das operações militares norte-americanas”, acrescentou.

Mais informações

O porta-voz afirmou que as forças dos EUA no Afeganistão “têm autoridade para fazer pagamentos por condolências e pagamentos destinados à reparação do hospital”, conforme prevê um programa de resposta a emergências. As forças norte-americanas no Afeganistão “trabalharão com os afetados para determinar os pagamentos apropriados”. “Se for necessário e adequado, a Administração solicitará mais autoridade ao Congresso” para realizar esses pagamentos, afirmou.

O Pentágono admitiu que o ataque ao hospital do MSF, em que 22 pessoas morreram, incluindo 12 membros da organização, foi um erro dentro da cadeia de comando dos EUA. O presidente Barack Obama pediu desculpas nesta semana à presidenta do MSF pelo bombardeio que, segundo a ONG, foi um crime de guerra. Além disso, o MSF desmentiu as versões do Afeganistão de que havia terroristas no hospital e que suas instalações estavam na origem de ataques às forças regulares afegãs, razão pela qual Cabul teria pedido aos Estados Unidos que realizassem o bombardeio.

O Departamento de Defesa está investigando o incidente e espera publicar em um mês as conclusões preliminares do seu inquérito. Mas o MSF solicitou a criação de uma comissão de investigação independente, já que não considera que o inquérito do Pentágono possa ser imparcial. O hospital atacado está parcialmente destruído e já não funciona, o que deixou milhões de afegãos sem atendimento especializado em traumatologia, pois esse era o único lugar que oferecia tal serviço no nordeste do país.

Mais informações

Arquivado Em

Recomendaciones EL PAÍS
Logo elpais

Você não pode ler mais textos gratuitos este mês.

Assine para continuar lendo

Aproveite o acesso ilimitado com a sua assinatura

ASSINAR

Já sou assinante

Se quiser acompanhar todas as notícias sem limite, assine o EL PAÍS por 30 dias por 1 US$
Assine agora
Siga-nos em: