O OBSERVADOR GLOBAL
Tribuna
São da responsabilidade do editor e transmitem a visão do diário sobre assuntos atuais – tanto nacionais como internacionais

Francisco e Xi foram a Washington

O Papa e o presidente chinês tentam adaptar vastas organizações milenares às mudanças vividas pelo mundo

Estes dois chefes de Estado não poderiam ser mais diferentes. Um é o líder espiritual de 1,2 bilhões de católicos (dos quais 40% são latino-americanos). O outro preside 1,4 bilhões de chineses. O papa Francisco é um líder religioso e Xi Jinping é um líder político.

Mas esta diferença não é tão simples. Quando o papa Francisco visita Cuba e ignora os dissidentes que se opõem ao regime dos Castro, está tomando uma decisão política. E quando comove o Congresso dos Estados Unidos com suas exortações acertadas sobre mudar a atitude em relação aos imigrantes, a desigualdade e a mudança climática, o Papa age como líder político. Ao mesmo tempo, quando Xi Jinping exorta seu povo a lutar pelo “sonho chinês” – conceito que ele adotou como slogan – ou a se portar conforme os “valores chineses”, é igualmente óbvio que tenta imbuir um pouco de espiritualidade em suas políticas e em sua própria liderança.

Mais informações
Papa admite que nunca pensou em se reunir com dissidentes cubanos
Papa e Obama formalizam aliança sobre ecologia e imigração nos EUA
Francisco, a voz da esperança para os imigrantes sem documentos nos EUA
Papa Francisco entra na batalha política dos Estados Unidos
Xi Jinping viaja aos EUA para enviar uma mensagem de poder
China põe em prática a pior onda de repressão desde os anos noventa

Os dois dirigem vastas organizações moldadas por culturas milenares que estão sendo sacudidas pelas mudanças vividas pelo mundo. O Vaticano e o Partido Comunista Chinês – e a China – precisam mudar para se alinhar melhor às novas realidades. Por isso, apesar de suas óbvias e enormes diferenças, tanto o Papa como o presidente da China são líderes reformistas que compartilham desafios muito parecidos.

1) Vencer os tradicionalistas e transformar a burocracia

Na China se chama o Partido Comunista e no Vaticano chama-se Cúria. São poderosas burocracias que Xi e Francisco querem mudar, o que inevitavelmente os opõe a indivíduos e grupos que, por suas crenças, apegos às tradições, por deter o poder ou por defender interesses, resistem às reformas. O Papa tornou públicas suas ferozes críticas à Cúria. Alertou seus membros que os vê vulneráveis a se sentirem “imortais, imunes e indispensáveis”, ou vítimas de “petrificação mental e espiritual”, de “Alzheimer espiritual”, de “esquizofrenia existencial”, de se dedicarem a fofocas e à calúnia, de cortejar seus superiores e de pensar só em si mesmos e serem indiferentes aos outros. Entre outras coisas...

Xi não fica atrás em suas denúncias contra a burocracia chinesa, a sua lentidão e inércia e ao fato de que líderes e funcionários estão mais dedicados a enriquecer do que a servir o país.

2) Lutar contra a corrupção e o materialismo

Surpreendentemente, ambos escolheram a luta contra a corrupção como uma de suas primeiras e mais visíveis iniciativas. O Papa limpou o corrupto banco do Vaticano, mandou um forte sinal de reprovação ao suspender um arcebispo alemão conhecido por seu dispendioso estilo de vida e continua enfrentando com determinação os escândalos de abuso sexual.

Entre as enfermidades que ameaçam a Cúria, Francisco inclui “a acumulação de bens materiais, a busca de benefícios terrenos e o exibicionismo”. Xi foi mais brutal: 414.000 funcionários foram disciplinados por corrupção e outros 201.600, julgados. Vários foram executados e Pequim tenta ativamente repatriar centenas de acusados que fugiram para outros países.

3) Manter a unidade e a coesão

Tanto o Vaticano como o Governo chinês enfrentam fortes pressões fragmentárias e divisões internas causadas pela contenda entre visões e interesses conflitantes. E pelas exigências da mudança tecnológica e as profundas convulsões econômicas e políticas do mundo atual. A revolução nas expectativas e aspirações de sociedades cada vez melhor informadas, mais empoderadas e mais ativas politicamente também os desafia. Na América Latina, o número de católicos caiu 21% desde 2000, e nos Estados Unidos, para cada novo católico, seis abandonam a Igreja católica romana. Muitos se unem a igrejas evangélicas, episcopais e pentecostalistas. A concorrência mundial por atrair fiéis é feroz.

Na China, apesar de contar com um férreo e eficiente Estado policial que reprime os dissidências e cala os críticos, o Governo também enfrenta frequentes protestos de rua e crescentes pedidos de “revisar o modelo”. Defender o modelo era mais fácil quando a economia crescia em alta velocidade, gerando empregos, aumentando a renda dos trabalhadores e tirando da pobreza milhões de pessoas ano a após ano. Mas, uma vez que este crescimento deixar de ser uma realidade segura – como está acontecendo –, o pacto social que permitiu ao Partido Comunista governar sem muita oposição deve se erodir.

Estes são apenas três dos paralelos entre o papa Francisco e Ji Xinping. Há outros.

Mas todos apontam na mesma direção. Duas enormes sociedades milenares precisam se adaptar às mudanças sem perder sua essência, sem se fragmentar e sobretudo sem perder a legitimidade que é a fonte do poder que seus líderes têm sobre milhares de milhões de pessoas.

Quem terá mais êxito navegando por essas águas turbulentas: o Governo chinês ou o Vaticano? Ainda estamos para ver. Mas a verdade é que as duas são organizações grandes, hierárquicas, centralizadas e lentas. E estão sendo obrigadas a se desenvolver em um mundo no qual a velocidade a agilidade são requisitos para o sucesso. Transformar suas rígidas hierarquias é um dos mais difíceis desafios enfrentados pelo papa Francisco e Xi Jinping. E os efeitos de suas atuações não só serão sentidos pelos chineses mas também pelos católicos.

Convido-os a me seguir no Twitter @moisesnaim

Arquivado Em

Recomendaciones EL PAÍS
Recomendaciones EL PAÍS