Uma criança mexicana abre a porta para o uso medicinal de maconha

Juiz permite que os pais de Graciela usem extrato de cannabis para amenizar a epilepsia da menor

Mayela Benavides ajuda a sua filha Graciela Elizalde.
Mayela Benavides ajuda a sua filha Graciela Elizalde.DANIEL BECERRIL / REUTERS

Graciela Elizalde tem oito anos e sua doença, a Síndrome de Lennox-Gastaut, abriu um debate no México sobre o uso terapêutico da maconha. Um juiz autorizou que os pais da menor importassem e usassem um óleo de cannabis (cannabidiol) para reduzir os fortes episódios de epilepsia que afetam a garota. No entanto, as autoridades de Saúde do México opõem-se à administração desse tratamento, sob o argumento de que não existem evidências científicas definitivas sobre os seus efeitos.

O consumo da maconha está proibido por lei tanto para o uso recreativo quanto medicinal no México. A petição dos pais de Grace – como a sua família a chama – perante os tribunais é a primeira que consegue chegar tão longe e poderia abrir a porta a pacientes que, pelo seu histórico médico, necessitam recorrer aos cannabis para apaziguar suas doenças. “Queremos isso porque estamos desesperados”, explicou Raúl Elizalde, o pai da criança, à imprensa mexicana.

Mais informações

Desde os seus primeiros anos, Graciela sofre com ataques de epilepsia que ficaram mais intensos com o passar dos anos. A Síndrome de Lennox-Gastaut deixou-a incapacitada fisicamente e, cada dia que passa, sua capacidade intelectual é reduzida com frequentes convulsões. Após a visita a vários médicos e da administração de 19 anti-convulsivos nos últimos sete anos, seus pais conheceram a história de Charlotte Figi, uma criança americana de seis anos que consumiu o óleo de cannabis e melhorou notavelmente a sua condição.

“Por que Grace não pode ter acesso ao mesmo tratamento?”, pergunta-se Mayela Benavides, mãe da criança de Monterrey (Estado de Nueva León). Figi vive no Colorado, um dos 15 estados dos Estados Unidos que permitem o cannabis para uso terapêutico. Na América Latina, apenas Uruguai e Chile permitem que a maconha seja administrada para um paciente. O debate nunca esteve sobre a mesa no México, até agora. “As crises de convulsão podem ser diminuídas e ela pode ter uma qualidade de vida melhor”, argumenta Elizalde.

A negativa das autoridades para que a menor consuma o extrato de cannabis foi persistente. O Ministério Público impugnou a decisão do juiz que autorizou a importação do produto

A negativa das autoridades para que a menor consuma o extrato de cannabis foi persistente. O Ministério Público impugnou a decisão do juiz que autorizou a importação do produto, e a decisão seguirá pendente nos tribunais. A Secretaria de Saúde afirmou que esse tratamento violaria a Lei Geral de Saúde porque “não existem evidências científicas conclusivas sobre a eficácia e segurança” desse tratamento.

O caso já começou a mover alguns corpos políticos. Um grupo de deputados do Partido da Revolução Democrática (PRD, de esquerda) apresentou uma proposta para modificar a Lei Geral de Saúde e permitir o uso de produtos derivados da maconha para tratamentos médicos. Nas últimas décadas, dois cartéis mexicanos aumentaram a produção e exportação ilegal de maconha para os Estados Unidos. Ao mesmo tempo, a violência derivada da luta entre cartéis e autoridades por causa do tráfico de drogas elevou-se a níveis históricos.

Se os pais de Graciela conseguirem a autorização definitiva, precisarão viajar aos Estados Unidos para comprar o extrato de maconha, e a criança poderá consumi-lo sob supervisão médica. Aos oito anos, Grace fez um país inteiro começar a discutir o tema.

Debido a las excepcionales circunstancias, EL PAÍS está ofreciendo gratuitamente todos sus contenidos digitales. La información relativa al coronavirus seguirá en abierto mientras persista la gravedad de la crisis.

Decenas de periodistas trabajan sin descanso para llevarte la cobertura más rigurosa y cumplir con su misión de servicio público. Si quieres apoyar nuestro periodismo puedes hacerlo aquí por 1 euro el primer mes (a partir de junio 10 euros). Suscríbete a los hechos.

Suscríbete
O mais visto em ...Top 50