Os países do G20 se comprometem a evitar uma guerra cambial

China procura tranquilizar países desenvolvidos e emergentes sobre situação econômica

Reunião dos ministros de Economia e Finanças do G20.
Reunião dos ministros de Economia e Finanças do G20.ADEM ALTAN (AFP)

Depois de estremecer os mercados de meio mundo com a recente desvalorização do yuan, a China tenta agora acalmar os temores globais sobre os efeitos da queda da atividade de sua economia. A questão chinesa e o temido anúncio de um iminente aumento das taxas de juros nos EUA, ou seja, o estado das duas maiores economias do mundo, foram o foco dos principais debates da reunião de ministros da Economia dos países do G20 que terminou no sábado, em Ancara (Turquia), com o compromisso de evitar uma guerra cambial.

Na verdade, no comunicado final da cúpula, os ministros do grupo formado pelos principais países desenvolvidos e emergentes se comprometeram a “calibrar cuidadosamente e comunicar claramente” qualquer nova decisão de política monetária para evitar efeitos como os produzidos pela inesperada desvalorização da moeda chinesa, o que aumentou os temores de uma desaceleração acentuada da economia do gigante asiático. É uma mensagem em parte dirigida também aos Estados Unidos diante da possibilidade de que a Reserva Federal comece a elevar as taxas de juros.

O ministro das Finanças chinês, Lou Jiwei, garantiu a seus colegas que, apesar das turbulências financeiras, as reformas empreendidas pelo Governo de Pequim colocaram o país em “um caminho de crescimento estável” nos próximos anos.

Os demais membros do G-20 arrancaram de Pequim a promessa – e eles mesmos se comprometeram – de continuar com as reformas estruturais para reduzir o intervencionismo público na economia e permitir que seja o mercado que a autorregule, também no caso do valor de sua moeda, algo pelo qual os EUA pressionam. “A China deveria deixar que sua taxa de câmbio refletisse seu verdadeiro valor e evitar desvalorizações competitivas”, disse o secretário do Tesouro dos EUA, Jack Lew, em declarações a repórteres durante o encontro em Ancara.

MAIS INFORMAÇÕES

O comunicado final da reunião incluiu uma referência explícita nesse sentido, que já é tradicional nos comunicados do G20, mas ganhou atualidade nesta ocasião pela perda de valor do yuan e das moedas de vários países emergentes: “Reiteramos nosso compromisso de avançar para mais sistemas de taxa de taxa de câmbio mais determinados pelo mercado e uma flexibilidade cambial que reflita os fundamentos subjacentes e evite distorções permanentes das taxas de câmbio. Vamos nos abster de fazer desvalorizações competitivas e qualquer forma de protecionismo”, afirma o comunicado.

Outra das principais preocupações econômicas decorrentes da política monetária, especialmente nos países emergentes, é que os EUA elevem as taxas de juros, agora próximas de zero. Durante os últimos dois anos, anúncios e inclusive rumores de possíveis aumentos nas taxas de juros dos EUA provocaram depreciações abruptas nas moedas de países como Turquia, Brasil e África do Sul, que desde o início da crise financeira global tinham conseguido atrair grandes fluxos de capital para seus países.

Agora temem o efeito da saída desses fluxos. Segundo a Reuters, as delegações dos estados emergentes tentaram que a declaração final da cúpula refletisse esses temores e enfatizasse que um aumento das taxas por parte da Reserva Federal poderia pôr em risco o crescimento econômico desses países, mas, finalmente, decidiu-se excluir da declaração uma referência tão explícita. O que se exige é essa transparência e cuidado ao tomar e comunicar as decisões de política monetária para “minimizar os efeitos colaterais negativos e mitigar a incerteza”. Joaquim Levy, ministro da Fazenda do Brasil, participa do encontro em Ancara. As finanças brasileiras e o real, já afetados pela crise política e econômica, sofreriam ainda mais com uma fuga de capitais para os EUA.

Reformas estruturais

O G20 está se preparando para um aumento das taxas nos EUA: “Notamos que (...) um aperto da política monetária é mais provável em algumas economias avançadas”, diz o comunicado, que também assinala em outro ponto que a política monetária por si só não pode levar a um crescimento equilibrado”, algo que na opinião do ministro de Economia britânico, George Osborne, implica um chamado para fazer reformas estruturais.

A diretora-gerente do Fundo Monetário Internacional (FMI), Christine Lagarde, disse que são necessários esforços adicionais para atingir a meta fixada na reunião de Brisbane (Austrália) para impulsionar o crescimento de dois pontos acima do previsto por meio de reformas. O G20 reconhece que não fez seu dever a esse respeito.

Arquivado Em: