Crise na fronteira

Maduro fecha a fronteira em outro trecho e pressiona mais a Colômbia

O presidente da Venezuela estende o conflito limítrofe. “Vamos caçar paramilitares debaixo das pedras”, diz sobre a suposta ameaça de criminosos colombianos

O presidente Nicolás Maduro nesta sexta-feira em um ato em Caracas.
O presidente Nicolás Maduro nesta sexta-feira em um ato em Caracas.EFE

Às três e meia da tarde Nicolás Maduro e sua esposa, Cilia Flores – a Primera Combatiente da Nação segundo um jargão oficial que despreza o título de Primera Dama – , dançavam cumbia e joropo diante de um público de milhares de pessoas, em transmissão por rede nacional de rádio e televisão. O ambiente naquele momento, festivo e relaxado, sobre o palanque instalado frente ao presidencial Palácio do Miraflores, em Caracas, não permitia adivinhar o que viria em seguida: quase duas horas de discussões, alardes e acusações de que o presidente venezuelano necessitou para explicar as medidas que se dispunha a adotar na zona fronteiriça. “Isso não vem de um bachaquero (contrabandista) que levou um produto, não, não, não; isso vem de longe; por isso vou tomar medidas estruturais e radicais, e ninguém vai me impedir”, bradou.

Ao término das duas horas, as medidas se restringiram ao fechamento total da fronteira entre o estado venezuelano de Táchira e a Colômbia, o que na prática representa a extensão do fechamento a quatro novos municípios – Lobatera, Panamericano, García de Hevia e Ayacucho, a nova Zona 2 de interdição –, e ao envio de mais 3.000 militares para a região. “Vamos caçar paramilitares até debaixo das pedras”, foi sua ordem.

Os anúncios de Maduro foram feitos na linha de chegada de uma marcha “contra o paramilitarismo” que o Governo convocou na sexta-feira. Os manifestantes, em número visivelmente menor que a média das passeatas chavistas, partiram de dois lugares da capital venezuelana para se reunir nas imediações do palácio presidencial.

Mais informações

O mandatário venezuelano disse que a breve distensão da crise fronteiriça alcançada na quarta-feira com a reunião em Cartagena de Índias entre as chanceleres da Colômbia e da Venezuela logo foi sabotada por seu homólogo Juan Manuel Santos, que poucos minutos depois, durante uma visita à cidade da Cúcuta, criticou o tratamento dispensado pelas autoridades venezuelanas aos deportados colombianos.

Para Maduro, a atitude de Santos demonstra que o mandatário colombiano é permeável “à campanha de ódio” mantida pela imprensa daquele país e pela “imprensa lixo internacional” para desprestigiar o povo e o Governo da Venezuela. “Eu respeito o presidente Santos, tenho de respeitá-lo”, disse, para imediatamente advertir: “Mas que não se preste à campanha de ódio contra o povo de Bolívar!”.

Afirmou que as cenas de êxodo desordenado de colombianos mostradas na imprensa são produto de uma manipulação. Considerou necessário precisar que, desde a adoção das medidas excepcionais na fronteira, na sexta-feira passada, a Venezuela não deportou nenhum colombiano, e sim "os repatriou”, muitos deixaram o país por vontade própria e de maneira apressada “porque temiam o que se descobriria sobre eles com as investigações”.

No entender do presidente venezuelano, a escalada da crise chegou a um ponto em que só um encontro com Santos pode reduzir a tensão: “Uma reunião, ele e eu, sozinhos, para colocarmos o guizo no gato e fazermos história juntos, se (Santos) quiser”. Urgiu seu colega colombiano a “acomodar agendas” para viabilizar o encontro. Mas observou que ele mesmo sairia no domingo para uma visita a China e Vietnã, onde assinará “acordos de cooperação de grande importância neste momento de dificuldades”.

Em seu discurso Maduro reiterou que a fronteira continuará bloqueada enquanto não cessar o que chama de “ataque à moeda venezuelana” a partir da Colômbia mediante a subtração maciça de cédulas. Disse que a atuação sediciosa de casas de câmbio privadas, controladas por máfias na Colômbia, é amparada por uma legislação que já pediu que Santos modificasse. Mas denunciou que tanto nessa matéria, como em outros temas críticos de incumbência binacional, “nada foi feito”no lado colombiano durante o último ano.

No plano internacional, propôs que a Colômbia solicite junto à Unasul a formação de uma Comissão Sul-americana da Verdade que, liderada por “uma personalidade de confiança, representativa da América do Sul”, revise a situação da fronteira no local e “venha nos ajudar a alcançar a paz”.

Debido a las excepcionales circunstancias, EL PAÍS está ofreciendo gratuitamente todos sus contenidos digitales. La información relativa al coronavirus seguirá en abierto mientras persista la gravedad de la crisis.

Decenas de periodistas trabajan sin descanso para llevarte la cobertura más rigurosa y cumplir con su misión de servicio público. Si quieres apoyar nuestro periodismo puedes hacerlo aquí por 1 euro el primer mes (a partir de junio 10 euros). Suscríbete a los hechos.

Suscríbete
O mais visto em ...Top 50