Estados Unidos matam no Iraque o ‘número 2’ do Estado Islâmico

Fadhil Ahmad al Hayali morreu na terça-feira em um ataque aéreo perto de Mossul

Milicianos do EI na Síria.
Milicianos do EI na Síria.Uncredited (AP)

Pouco depois de completado o primeiro aniversário de sua campanha de bombardeios contra o Estado Islâmico (EI), os Estados Unidos desfecharam seu maior golpe ao grupo jihadista. A aviação norte-americana matou na terça-feira nos arredores da cidade iraquiana de Mossul o número 2 do EI, Fadhil Ahmad al Hayali, segundo anunciou a Casa Branca nesta sexta-feira.

MAIS INFORMAÇÕES

Al Hayali – também conhecido como Abu Muslim al Turkmani ou Hajji Mutazz – morreu enquanto trafegava em um veículo com um integrante da equipe de comunicação dos extremistas, que controlam partes do Iraque e Síria e aspiram a estabelecer um Califado fundamentalista na região.

Al Hayali - que nasceu em Tel Afar, a noroeste do Iraque– era o braço direito de Abu Bakr al Baghdadi, o líder do EI. Estava à frente das operações do grupo no Iraque e seu papel foi crucial na conquista, em junho de 2014, de Mossul, a noroeste do país e segunda cidade mais populosa do Iraque.

O terrorista morto era um dos principais coordenadores do transporte de armamento, explosivos, veículos e pessoas entre o Iraque e a Síria, de acordo com a Casa Branca. O porta-voz do Conselho de Segurança do presidente Barack Obama, Ned Price, considerou, em um comunicado, que sua morte “causará impacto negativo nas operações do EI, já que sua influência abrangia as finanças, comunicação, operações e logística” do grupo sunita.

A morte de Al Hayali ocorre em um momento em que os EUA –que contam com 3.500 assessores militares no Iraque– necessitam exibir avanços em sua campanha contra o EI nesse país, depois do fracasso nos últimos meses de seu plano de apoiar forças locais em uma ofensiva para recuperar Mossul e de o grupo jihadista assumir o controle de Ramadi, a capital da estratégica província de Anbar. A única grande conquista da coalizão internacional liderada por Washington foi a captura de Tikrit.

É cedo para saber qual será o impacto da morte do líder adjunto do EI. “Demonstraram habilidade em substituir as pessoas”, disse à agência Reuters o analista Seth Jones, do Centro RAND Corporation e ex-funcionário do Pentágono. Segundo Jones, a chave na campanha contra os jihadistas é reduzir seu controle territorial. Os EUA revelaram recentemente que o EI perdeu no último ano 30% de presença no Iraque.

Antes de unir-se à organização terrorista, Al Hayali integrou o braço da Al Qaeda no Iraque –da qual surgiu o EI– e foi membro do partido Baath, do ditador iraquiano Saddam Hussein, deposto depois da invasão norte-americana do Iraque em 2003. Al Hayali esteve preso durante um longo período de tempo depois da invasão norte-americana por sua proximidade com Saddam, segundo um relatório do ano passado do grupo de análises Soufan.

Outras informações indicam que Al Hayali foi membro das forças especiais e da inteligência militar do regime de Saddam. Ele e Abu Ali al Anbari, outro ex-alto oficial militar do regime, eram os dois lugares-tenentes do EI. Sua função era definir, com Al Baghdadi, os objetivos estratégicos do grupo, segundo o informe do Soufan.

Arquivado Em: