Seleccione Edição
Entra no EL PAÍS
Login Não está cadastrado? Crie sua conta Assine

Real Madrid derrota o Manchester City por 4 x 1 com gol de Cristiano Ronaldo

A equipe de Benítez se impôs no segundo jogo da pré-temporada

Real Madrid Manchester City Ampliar foto
Cristiano Ronaldo e Sagna, durante o jogo. Getty Images

O Real Madrid recuperou o gol na segunda partida da pré-temporada disputada em Melbourne. Com chuva e frio. Marcaram Benzema, Cristiano, Pepe e Cheryshev na vitória de 4 x 1 ante o Manchester City. Ficou para trás a seca mostrada contra a Roma na semana passada. E em frente estava hoje o City de Manuel Pellegrini, com dez dias a mais de trabalho que os merengues. Ninguém percebeu isso. É verdade, ou pelo menos todos dizem, que os amistosos do verão não servem para nada, mas é possível que o City ainda precise de duas temporadas para assimilar os conceitos básicos do futebol. Como a marcação, por exemplo.

Cristiano, no segundo gol, enganou o adversário e teve todo o tempo do mundo para ajeitar a bola que caiu nos seus pés —após um voo de 30 metros— lançada por Kroos. Pepe, no terceiro gol, saltou completamente sozinho dentro da área para fazer de cabeça após a cobrança de escanteio de Isco. Sergio Ramos, por sua vez, também saltou sem nenhuma marcação. O Manchester City diminuiu a diferença já nos acréscimos com Yaya Touré marcando de pênalti. Sergio Ramos havia tocado a bola com a mão —em um duelo com Sterling— mas fora da área. Só que não para o árbitro, que apitou penalidade máxima.

O Madrid começou com Keylor Navas no gol, uma linha de quatro formada por Carvajal, Pepe, Ramos e Marcelo; um “duplo pivot” com Modric e Kroos, Benzema na ponta e atrás dele uma linha de três. Cristiano avançou pela esquerda, Isco pela direita e Gareth Bale voltou a atuar no meio campo para tentar criar jogadas ofensivas, apesar da sua pobre atuação nessa posição no jogo contra a Roma. O galês não é meia-atacante. Não se vira bem nos espaços reduzidos, não é homem para dar o último passe. Entre outras coisas, porque precisa de espaço para arrancar, campos para percorrer e esquinas para lançar.

O primeiro gol do Madrid —incrível disparo cruzado de Benzema— veio, de fato, após um lançamento de Bale mas pela direita, onde ainda se deixa cair de vez em quando (pela esquerda, armou no segundo tempo uma das jogadas mais perigosas de Cristiano). Esse primeiro gol também veio do primeiro avanço de Dani Carvajal.

Benítez quer ordem defensiva e está insistindo muito em diminuir os espaços, em que seus jogadores estejam em cima do rival. E conseguiu isso —o Madrid raramente tinha sido visto defendendo com quatro e sem inferioridade—, mas parece que o rigor tático está limitando muito as jogadas de Marcelo e Carvajal. Poucas vezes os dois laterais fizeram incursões no ataque. Do mesmo jeito que Kroos e Modric.

Depois do intervalo, o técnico do Madrid substituiu Pepe por Varane, Carvajal por Danilo, Modric por Casemiro e Benzema por Jesé. Por sua vez, Sergio Ramos, Marcelo, Kroos, Bale e Cristiano aguentaram pouco mais de uma hora. Entraram Nacho, Arbeloa, Lucas Silva, Lucas Vázquez, Cheryshev. Isco continuou (com Keylor Navas) e inclusive teve tempo para dar um passe a Chersyshev. Em seguida deixou seu lugar para Marcos Llorente.

Os merengues tinham o jogo resolvido. Só Kolarov —que jogou como central e lateral tentando tampar buracos— e David Silva entraram na área de Keylor Navas. Quando o goleiro não percebeu, foi a vez de Marcelo salvar o gol branco. O Madrid viaja agora à China, onde na segunda-feira (9h pelo horário de Brasília) enfrenta a Inter de Roberto Mancini.

MAIS INFORMAÇÕES