Acordo Nuclear entre Irã e EUA

Líder supremo do Irã descarta aproximação com Estados Unidos

Khamenei afirma que o acordo nuclear, se aprovado, constitui uma "exceção"

Khamenei na prece final do Ramadã.
Khamenei na prece final do Ramadã.

Com ou sem acordo nuclear, o líder supremo do Irã, o aiatolá Ali Khamenei, descarta uma aproximação de seu país com os Estados Unidos. Foi o que disse neste sábado em seu primeiro pronunciamento desde que anunciou o pacto. Khamenei, que falou depois da prece de encerramento do Ramadã, o mês de jejum dos muçulmanos, reiterou seu apoio aos negociadores e evitou criticar os detalhes do acordo alcançado, mantendo sua habitual ambiguidade.

“Dissemos em várias ocasiões que não negociaremos com os EUA em assuntos regionais ou internacionais; nem sequer em assuntos bilaterais”, ressaltou o homem que tem a última palavra em todos os assuntos de Estado no Irã. “Há algumas exceções como o programa nuclear que negociamos com os norte-americanos para servir a nossos interesses”, detalhou, segundo a tradução da PressTV que transmitiu seu discurso ao vivo.

Khamenei utilizou repetidas vezes a frase “independentemente de o acordo ser aprovado ou não”, dando a entender que o texto ainda precisa de uma ratificação final. O gesto parece, no entanto, uma forma de se proteger de eventuais problemas no Congresso norte-americano, que tem dois meses para revisar o pacto. Em todo caso, o líder não esclareceu qual será o procedimento no Irã.

Mais informações

Em princípio, supõe-se que o Conselho Supremo de Segurança Nacional seja o encarregado de revisar as 109 páginas e dar o seu consentimento. Essa instância, chefiada pelo presidente Hasan Rohani, ajudou Khamenei a costurar o acordo, por isso sua aprovação seria um trâmite. Mais complicada pode ser a passagem pelo Parlamento, pedida pelos deputados. A Câmara é dominada pelos conservadores e conta com uma significativa representação que se opõe radicalmente à menor concessão.

Khamenei não reforçou as críticas lançadas na véspera, durante a prece da sexta-feira, pelo aiatolá Mohammad Ali Movahedi Kermani, que qualificou como “insultos” as exigências incluídas no pacto. Isso leva a crer que sua intransigência com os EUA, além de emanar da profunda desconfiança que o líder sente em relação ao país, também seja uma forma de tranquilizar os mais críticos e evitar que façam descarrilar a decisão que marcará seu legado como governante.

“Independentemente de o acordo ser aprovado ou não, nunca deixaremos de apoiar a nossos amigos na região e os povos da Palestina, Iêmen, Síria, Iraque, Bahrein e Líbano. Mesmo depois do acordo nossa política ante a arrogante América não mudará”, insistiu Khamenei ovacionado por uma multidão que gritava “Morte à América!” e “Morte a Israel!

O líder supremo também negou que “os norte-americanos [como dizem] tenham freado a possibilidade de o Irã adquirir a arma nuclear”. “Sabem que isso não é verdade. Temos uma fátua que proíbe as armas nucleares sob a lei islâmica. Não tem nada a ver com as negociações”, sentenciou.

Debido a las excepcionales circunstancias, EL PAÍS está ofreciendo gratuitamente todos sus contenidos digitales. La información relativa al coronavirus seguirá en abierto mientras persista la gravedad de la crisis.

Decenas de periodistas trabajan sin descanso para llevarte la cobertura más rigurosa y cumplir con su misión de servicio público. Si quieres apoyar nuestro periodismo puedes hacerlo aquí por 1 euro el primer mes (a partir de junio 10 euros). Suscríbete a los hechos.

Suscríbete
O mais visto em ...Top 50