Papa Francisco chega ao Equador com o país em convulsão

Governo de Rafael Correa tenta lucrar politicamente com a visita do pontífice

Francisco ao lado do presidente Rafael Correa.
Francisco ao lado do presidente Rafael Correa.CIRO FUSCO (EFE)

O Equador que recepciona o papa Francisco neste 5 de julho não é apenas o país que tem 81% de católicos —segundo o Instituto Nacional de Estatística e Recenseamento. O país andino vive acentuada polarização em razão das recentes mobilizações contra o presidente Rafael Correa, que se prolongaram por quase um mês. As tentativas de taxar as heranças e a valorização extraordinária de bens imóveis incitaram a população, e embora o mandatário tenha provisoriamente retirado os projetos de lei, a indisposição dos cidadãos permaneceu nas ruas. Cerca de 45% da população —de acordo com dados de junho da empresa de pesquisas de opinião Cedatos— desaprova a administração presidencial, e estão no ar novamente demandas que foram ignoradas pelo regime, como a abolição das leis da Justiça Trabalhista e das Águas, a rejeição às emendas constitucionais que preveem reeleições indefinidamente, o livre acesso à universidade, a não criminalização dos protestos, entre outras.

Mais informações

O acirramento de parte da população pôs em risco a imagem do Equador que o presidente Correa queria vender ao mundo durante a visita do papa Francisco. Tão seguro estava de seu sucesso como anfitrião que no dia 2 de junho convidou seus pares da Comunidade dos Estados da América Latina e do Caribe (Celac) para a missa campal em Quito. O perfil dos convites baixou, e segundo o Ministério das Relações Exteriores apenas os presidentes de Honduras e do Haiti comparecerão.

O discurso atual do Governo é que há paz social. Um dos jingles do regime, que em seu coro dizia “somos mais, somos todos”, agora diz “somos paz, somos todos”. A mensagem para os opositores, que pediram nas redes sociais vaias para o presidente nos atos de massa, é que não façam o país parecer mal. “Se tentarem prejudicar o presidente, prejudicarão a pátria”, disse Correa na semana passada durante a entrega de habitações sociais em Quito. “Creio que a imensa maioria do Equador, o povo católico, rejeitará qualquer tentativa de politização da vinda do papa Francisco.”

Mas a politização da visita do Sumo Pontífice foi um fato consumado antes pela Secretaria de Comunicação da Presidência do Equador e por seu titular, Fernando Alvarado. Primeiro pôs de lado o logo de apresentação da Conferência Episcopal, com o lema “Evangelizando com alegria” e passou a promover um logo em que o rosto do Papa se funde com o logo multicolorido da Revolução Cidadã. Além disso, a secretaria criou o site oficial da visita e começou a atualizá-lo isoladamente.

Quando começou a indisposição no país devido aos novos impostos, a Secretaria de Comunicação começou uma campanha de outdoors e cartazes nos muros com mensagens do Papa Francisco. Talvez a mais polêmica tenha sido a mensagem em que o Santo Padre apoiava a redistribuição da riqueza, principal argumento para os novos impostos. A Conferência Episcopal precisou organizar uma entrevista coletiva para pedir que não se usasse politicamente a imagem do Papa. O presidente da Conferência Episcopal Equatoriana (CEE), o arcebispo de Quito, Fausto Trávez, disse que a visita “é para cultivar as virtudes das pessoas e não para politizar sua presença”.

Para o consultor político Decio Machado, que foi assessor presidencial, os sinais da capitalização política da visita do Papa Francisco foram muitos. Primeiro, o anúncio foi feito mal começou 2015, ano duro para a economia nacional, que começava com o preço do barril de petróleo a menos de 40 dólares, enquanto as previsões orçamentárias se baseavam em sua manutenção em 80 dólares. Em seguida, em abril, às vésperas da marcha trabalhista de 1º de maio, o presidente e a Conferência Episcopal anunciaram os dias efetivos da visita papal —de 5 a 8 de julho— e pouco depois o mandatário viajou a Roma para ter uma audiência privada com o Sumo Pontífice.

Para Machado existe uma estratégia política para utilizar a figura do Papa progressista e reposicionar o presidente Correa no nível regional, além de converter a visita em elemento de distensão na arena política nacional. Só que agora, diante das manifestações de descontentamento popular, às quais se uniram políticos de oposição, o próprio Governo está azedando o ambiente com o suposto golpe de Estado suave que transforma os manifestantes em golpistas.

Mais informações

Arquivado Em

Recomendaciones EL PAÍS
Recomendaciones EL PAÍS
Logo elpais

Você não pode ler mais textos gratuitos este mês.

Assine para continuar lendo

Aproveite o acesso ilimitado com a sua assinatura

ASSINAR

Já sou assinante

Se quiser acompanhar todas as notícias sem limite, assine o EL PAÍS por 30 dias por 1 US$
Assine agora
Siga-nos em: