Rafael Correa diz que o Equador enfrenta um golpe de Estado suave

Governo equatoriano desqualifica as três mobilizações convocadas para esta quinta-feira

Protesto em Quito.
Protesto em Quito.EDU LEÓN

O presidente do Equador, Rafael Correa, enfrenta a quarta semana de mobilizações. Políticos de oposição como Jaime Nebot, prefeito de Guayaquil, e o ex-candidato presidencial, Guillermo Lasso, uniram-se às marchas que os cidadãos convocaram desde o início de junho contra os projetos de lei que previam impostos à herança e ao lucro imobiliário. A retirada temporária dos projetos de lei de Correa não foi suficiente para serenar os ânimos, nem o pedido de diálogo nacional feito pelo Palácio Carondelet (sede do Governo). A oposição agora quer a renúncia do mandatário.

MAIS INFORMAÇÕES

Três marchas contra o Governo estão previstas para esta quinta. O deputado Andrés Páez, do partido conservador CREO, convocou os cidadãos para uma caminhada partindo dos arredores da Assembleia Nacional até a sede do Governo. Ao mesmo tempo, os sindicatos, indígenas e camponeses, que reivindicam sobretudo direitos trabalhistas, iniciarão sua marcha com o mesmo destino, mas saindo do Instituto de Seguridade Social. A eles se juntarão pela primeira vez os profissionais da saúde, que se opõem à Agência para a Garantia da Qualidade da Saúde, criada em 25 de junho por decreto presidencial. O temor dos médicos é que sejam impostos tetos às tarifas do sistema de saúde particular. Alberto Narváez, da Federação Médica Equatoriana, critica a atitude unilateral do presidente e pede mais diálogo.

O Governo qualificou essas mobilizações como “um golpe de Estado suave”. Na tarde de quarta-feira, véspera das concentrações, os Ministérios do Interior e das Relações Exteriores convocaram a imprensa para falar sobre o que chamaram de tentativas de desestabilização da democracia. O ministro do Interior, José Serrano, afirmou que há uma conspiração em marcha, cujo objetivo é tomar o Carondelet. Segundo dados de inteligência, haveria planos de incentivar o uso de bastões com ponta pelos manifestantes para destruir os escudos policiais, além de bombas com tinta para cegar os soldados e pimenta para incomodar os cães e cavalos que os acompanham.

O relatório apresentado pelo Ministério do Interior afirma que se os “golpistas” (identificados com nome e sobrenome) não conseguirem tomar o poder, pretendem ocupar os aeroportos de Quito e Guayaquil e bloquear as passagens fronteiriças para provocar “pelo menos um caos nacional” e conseguir que o Papa Francisco cancele sua visita ao país, prevista para 5 de julho. Entre os mencionados está Lourdes Tibán, do movimento político Pachakutik, que negou as acusações. “Não queremos uma paz temporária só porque vem o Papa. Queremos um Equador de paz e liberdades”, disse.

O ministro das Relações Exteriores, Ricardo Patiño, também advertiu que a democracia corre perigo e apresentou três representantes do Comitê de Vítimas da Guarimba e do Golpe Contínuo da Venezuela, que falaram sobre as semelhanças da situação atual do Equador com o que ocorre em seu país.

Por sua vez, o presidente Rafael Correa divulgou uma mensagem nas redes sociais: “Queríamos que as tensões diminuíssem nesta semana. Por isso, inclusive suspendemos um ato massivo que teríamos na Shyris. Mas infelizmente temos claros indícios de que os golpistas tentarão tomar o Carondelet (...) Convocamos [as pessoas] a lotar a Plaza Grande a partir das 16h, com música e alegria, pacíficos mas firmes. Somos mais, muitíssimo mais. (...) Tentam nos manter em constante enfrentamento, como fizeram na Venezuela. Não conseguirão”.

Ao redor do Governo foi criada a Frente Unidos, que reúne várias organizações sociais próximas do “correísmo”. Ao lado delas sairão às ruas partidários da Aliança País, liderados por sua secretária executiva e ex-ministra de Estado, Doris Soliz, que justificou a marcha do Governo na televisão estatal. “Queremos dizer ao povo que não queríamos continuar com as atividades de mobilização, mas temos que fazer isso para impedir os golpistas”, afirmou.

Arquivado Em: