_
_
_
_

Equador puniu quase 200 meios de comunicação em dois anos

Mais de 180 foram punições econômicas, com as quais o Estado recolheu 201.596 dólares

Manifestação pela liberdade de expressão em Quito em 2011.
Manifestação pela liberdade de expressão em Quito em 2011.JAIME ECHEVERRÍA (EFE)

O Equador decretou há dois anos a Lei de Comunicação, que permite ao Governo determinar quais informações devem aparecer nos meios de comunicação e como. A Superintendência da Comunicação (o órgão de controle) puniu 198 órgãos de imprensa. Foram abertos 506 processos e criadas 313 resoluções, das quais 185 foram sanções econômicas, com as quais o Estado recolheu 201.596 dólares.

“Publicar à revelia”. Essa frase encabeça as petições de retificação e réplica que três veículos de comunicação impressos (Expreso, El Comercio e La Hora) tiveram que publicar forçosamente esta semana. A Secretaria de Comunicação (Secom) enviou formatada e redigida a reforma da Lei de Segurança Social para publicação imediata.

A situação foi qualificada de abusiva e autoritária por vários defensores da liberdade de imprensa, como Diego Cornejo, da Associação Equatoriana de Editores de Jornais (Aedep). “Já faziam isso na televisão e nas rádios. Agora descobriram que podem impor conteúdos aos jornais.” Mauricio Alarcón, da Fundação Andina para a Observação e o Estudo da Mídia (Fundamedios), considera que está havendo abuso do direito a retificação e resposta para impor conteúdos e que os meios se submetem para evitar um processo. “Ao receber os textos da Secom, os jornais os publicam na íntegra, já diagramados e com títulos, e com epítetos e desqualificações contra o próprio veículo.”

Mais informações
Presidente do Equador prova do seu próprio ‘remédio’ nas redes sociais
A autocensura é a regra na imprensa do Equador
“É perfeitamente legítimo ter uma lei de comunicação”

Desencanto na redação

A inquietação nas redações é palpável, e as limitações ao trabalho aumentam a cada dia. Nesta semana, o jornal Expreso informou que, para pedir entrevistas com secretários de Estado, foi exigido o envio os currículos dos jornalistas que fariam a entrevista. “É claro que não vamos entregar o currículo de ninguém. Se nos derem as entrevistas, muito bem; se não, não haverá entrevista. Seja como for, em 99% dos casos não nos concedem”, afirma Jorge Sánchez, chefe de redação do jornal. Para ele, o objetivo da Lei de Comunicação é censurar os meios de comunicação. “Creio que é uma tentativa clara de tentar silenciar os jornais e encurralá-los de tal modo que acabarão deixando de publicar notícias por medo de ordens de prisão ou punições econômicas”.

Com esse mal-estar, a Lei de Comunicação, vigente desde 25 de junho de 2013, completa hoje seu segundo aniversário. Para Carlos Ochoa, titular da Superintendência da Comunicação, o órgão de controle da mídia criado por lei, os cidadãos fizeram escutar sua voz e agora reivindicam seus direitos. “Depois de 24 meses de aplicação da lei, mais do que nunca a liberdade de expressão vigora no Equador”, afirma.

A Secretaria de Comunicação enviou aos jornais as informações sobre os novos impostos já formatadas e redigidas

Ochoa informou em entrevista coletiva que, desde outubro de 2013 (quando começou a funcionar a Superintendência da Comunicação) foram abertos 506 processos e emitidas 313 resoluções, entre as quais 185 foram sanções econômicas. O montante arrecadado até o momento chega a 201.596 dólares, dinheiro que foi para os cofres do Estado. O Governo puniu, no total, 198 meios de comunicação.

Essa arrecadação poderá aumentar, já que no primeiro quadrimestre de 2015 foi criada a figura da reincidência, que multiplica exponencialmente as multas aos meios que incorram na mesma falta num período de seis meses. Por isso o jornal El Universo foi condenado a pagar mais de 300.000 dólares ao não publicar em duas ocasiões o texto na íntegra de uma retificação enviada pela Secretaria de Comunicação. O jornal se declarou em atitude de resistência e alegou que só havia trocado os títulos por outros que deixavam claro que os textos abaixo deles eram retificações.

A Fundamedios analisou as denúncias contra os meios de comunicação e concluiu: “Há uma maioria de processos com origem no poder político, na figura do Estado. A lei está sendo usada como um mecanismo de poder para pressionar os meios de comunicação.” Aos processos iniciados via intimação judicial —224, segundo a Superintendência da Comunicação—, somam-se os apresentados por funcionários públicos e pelas organizações sociais e líderes ligados ao Governo —36, segundo a Fundamedios.

Próximas reformas

Além de tudo isso, nesses dois anos só houve três sanções contra meios de comunicação públicos ou assumidos pelo Estado (EcuadorTv, El Telégrafo e TC Televisión), segundo a Fundamedios, e que consistiram apenas em advertências escritas, nunca em multa, embora as infrações tenham sido similares às cometidas pelos meios de comunicação privados. Por exemplo, o Diario Extra recebeu uma multa por publicar em sua primeira página a foto de uma mulher nua e qualificá-la de “potranca”, enquanto que a TC Televisión só recebeu uma chamada de atenção por transmitir um programa que também coisificava mulheres com o chamado nadegômetro, que mede a capacidade de sacudir o traseiro por parte de competidoras femininas.

O Superintendente de Comunicação anunciou em sua intervenção desta semana reformas da Lei de Comunicação que, segundo disse, serão conhecidas na totalidade perto do fim do ano. Entre elas haverá a criação da figura da mediação, para permitir que as partes envolvidas num processo legal cheguem a acordos e evitem punições. Mas a mediação acontecerá dentro do órgão de controle da mídia, que às vezes será mediador, às vezes uma das partes e, depois da reforma, também juiz.

Mais informações

Arquivado Em

Recomendaciones EL PAÍS
Recomendaciones EL PAÍS
_
_