Enquanto Dilma silencia no Dia de Trabalho, PMDB eleva o tom

Para evitar 'panelaço', presidenta fará mensagem nas redes. Renan diz que silenciar é “ridículo” e Temer pede “respeito institucional”

Renan Calheiros durante entrevista coletiva.
Renan Calheiros durante entrevista coletiva.Marcelo Camargo (Agência Brasil)

A presidenta Dilma Rousseff optou por evitar o discurso em rádio e televisão, como fez em anos anteriores, durante o Dia do Trabalho, e os motivos para tal não são difíceis de compreender. Depois do inédito panelaço do dia 8 de Março, enquanto falava em cadeia nacional, a presidenta preferiu silenciar, embora seu ministro da Secretaria da Comunicação Social, Edinho Silva, tenha justificado a decisão de outra forma. “A presidenta vai dialogar com os trabalhadores, com a sociedade brasileira, pelas redes sociais. É uma forma de valorizarmos outros meios de comunicação”, disse o ministro na última segunda-feira.

Mais informações

Às turras com a sua base aliada, nesta quinta Rousseff foi alvo de críticas do presidente do Senado, Renan Calheiros, que classificou o silêncio da presidenta como uma “coisa ridícula”. “Essa coisa da presidente não poder falar no dia 1º de Maio porque não tem o que dizer é uma coisa ridícula. Ridícula. Isso enfraquece muito o governo", disse ele, que apontou a necessidade de o Governo sair da “paralisia e da falta de iniciativa” em que se encontra. A jornalistas em Brasília, ele falou que o PMDB não pode substituir o PT no que o “PT tem de pior, o aparelhamento do Estado”. Segundo ele, o partido não pode transformar o papel de coordenação política no de “coordenador de RH do governo federal”, ou seja, trabalhar para nomear cargos de segundo escalão.

As críticas tinham endereço certo, uma vez que o papel de articulador político é ocupado pelo vice-presidente, Michel Temer, também do PMDB. Dilma continuou mantendo o silêncio, mas quem saiu da discrição tradicional foi o próprio Temer, que soltou uma nota, dizendo que não usaria o cargo “para agredir autoridades de outros Poderes". "Respeito institucional é a essência da atividade política, assim como a ética, a moral e a lisura”, disse o vice-presidente, por meio de nota, ainda que não admita que seria uma resposta a Calheiros. “Não estimularei um debate que só pode desarmonizar as instituições e os setores sociais. O País precisa, neste momento histórico, de políticos à altura dos desafios que hão de ser enfrentados”.

Num momento de baixa popularidade, e aprisionada pelo Congresso, a presidenta tem deixado um flanco para a diatribe de desafetos que tentam se descolar, de toda forma da mandatária, neste momento singular do Governo petista.

É fato que, às vésperas do pior Primeiro de Maio dos governos petistas, com um aumento de desemprego, juros e inflação alta, além da seca no crédito para o consumo, a presidenta parece ter pouca bateria para convencer a opinião pública que o futuro reserva notícias mais alvissareiras. Nesta quinta, ela procurou driblar o mal-estar sobre o seu silêncio ao se reunir com representantes de centrais sindicais no Palácio do Planalto. Em reunião transmitida ao vivo pelo canal estatal, ela afirmou que a regulamentação do trabalho terceirizado exige “diferenciação entre atividades-fim e atividades-meio nos mais diversos ramos da atividade econômica”. Trata-se de um ponto polêmico que está colocando a Câmara em trincheira oposta ao Executivo. “Isso é necessário para assegurar que o trabalhador tenha a garantia dos direitos conquistados nas negociações salariais e também por uma razão ligada à nossa previdência para proteger a Previdência Social da perda de recursos”, afirmou.

Calheiros, por outro lado, tenta capitalizar o momento sugerindo que a presidenta deveria fechar um “pacto pelo emprego”, estabelecendo metas, nos mesmos moldes das metas de inflação ou superávit primário. E isso, deveria ser dito em cadeia nacional, sem temer o barulho das panelas, segundo ele.

Mais informações

Arquivado Em

Recomendaciones EL PAÍS
Recomendaciones EL PAÍS
Logo elpais

Você não pode ler mais textos gratuitos este mês.

Assine para continuar lendo

Aproveite o acesso ilimitado com a sua assinatura

ASSINAR

Já sou assinante

Se quiser acompanhar todas as notícias sem limite, assine o EL PAÍS por 30 dias por 1 US$
Assine agora
Siga-nos em: