Política boliviana

Morales destitui seu ministro de Defesa após incidente com o Chile

Boliviano ajudou afetados por temporal no Chile com colete que dizia “o mar é boliviano”

O ministro de Defesa da Bolívia, Jorge Ledezma.
O ministro de Defesa da Bolívia, Jorge Ledezma.ALEX FUENTES / EFE

O presidente boliviano Evo Morales destituiu seu ministro de Defesa, Jorge Ledezma, depois que este causou um incidente diplomático com o Chile entregando uma doação boliviana aos afetados das inundações que sofre o norte deste país, vestido com um colete que dizia “o mar é boliviano”.

Mais informações

Esta doação já tinha sido motivo de controvérsia, porque inicialmente o Consulado do Chile em La Paz afirmou que o país ainda não precisava de ajuda internacional e desautorizou o voo de um avião preparado pelo Governo boliviano. Finalmente, o Chile considerou suficientemente grave a situação e autorizou este tipo de apoio, e na segunda-feira, 30, Ledezma se apresentou com 13.000 litros de água na localidade de Copiapó, cidade situada em uma zona onde foram registrados quatro mortos e 22 desaparecidos pelas drásticas e incomuns chuvas da semana anterior. Em todo o norte chileno os mortos chegam a 23 e os desaparecidos, a 57. O texto no colete que usava o ministro boliviano foi questionado por alguns meios de comunicação chilenos presentes na entrega, aos quais Ledezma respondeu que não pretendia realizar “nenhum tipo de provocação”.

Já na Bolívia, o agora ex-ministro explicou que usava o colete como “seu instrumento de trabalho” e que não tinha por que ocultar o texto que ele continha. No entanto, frente às reações desfavoráveis, afirmou também, contraditoriamente, que não era o momento de falar na disputa marítima entre Bolívia e Chile “por respeito às famílias afetadas”.

Na terça-feira, o chanceler do Chile, Heraldo Muñoz, protestou publicamente. Afirmou que “a tragédia e a dor da catástrofe não devem ser utilizadas para propósitos políticos da campanha comunicacional boliviana (para a demanda marítima)”. No entanto, considerou que não valia a pena enviar uma nota de protesto à Bolívia. Por sua parte, o Senado chileno lamentou que “o Governo boliviano não tenha apresentado, até o momento, as desculpas correspondentes”. A resposta da Bolívia foi imediata e consistiu na destituição do Ministro que cometeu o deslize. Seu substituto será Reymi Ferreira, que foi o candidato derrotado à prefeitura de Santa Cruz nas eleições do último domingo.

Em 2011, a Bolívia apresentou uma demanda contra o Chile na Corte Internacional de Haia, para obrigar este país a resolver o conflito bilateral que se refere à Guerra do Pacífico, na qual a Bolívia perdeu sua saída ao mar. O Chile tenta suspender a ação argumentando que a demanda boliviana afeta o tratado de limites assinado pelos dois países em 1904, por isso está fora da jurisdição do Tribunal de Haia. Bolívia e Chile vão apresentar suas alegações orais em favor e contra da competência do Tribunal Internacional neste caso entre 4 e 8 de maio.

Debido a las excepcionales circunstancias, EL PAÍS está ofreciendo gratuitamente todos sus contenidos digitales. La información relativa al coronavirus seguirá en abierto mientras persista la gravedad de la crisis.

Decenas de periodistas trabajan sin descanso para llevarte la cobertura más rigurosa y cumplir con su misión de servicio público. Si quieres apoyar nuestro periodismo puedes hacerlo aquí por 1 euro el primer mes (a partir de junio 10 euros). Suscríbete a los hechos.

Suscríbete
O mais visto em ...Top 50