Crise na Grécia

Rajoy: “Nós não somos culpados pela frustração criada por Tsipras”

Presidente do Governo espanhol acusa o premiê de prometer o que não podia cumprir

Rajoy, durante o comício do PP em Sevilla.ALEJANDRO RUESGA / atlas

O presidente do Governo, Mariano Rajoy, respondeu, na manhã deste domingo, à acusação do primeiro ministro grego Alexis Tsipras de que os governos conservadores de Espanha e Portugal tentam sabotar seu projeto político com algemas na União Europeia.

Rajoy, em um ato do Partido Popular em Sevilha, referiu-se ao Syriza, o partido de Tsipras, como a “esquerda radical”, e que o problema dele é ter prometido aos gregos “o que não podia cumprir”. “Não somos responsáveis pela frustração da esquerda radical grega, que prometeu o que não podia cumprir, como ficou demonstrado”.

“Buscar um inimigo de fora é um truque que vimos muitas vezes ao longo da história, mas isso não resolve os problemas, apenas os agrava”, acrescentou. “A única maneira é ser sério, é não prometer o que sabe que não pode cumprir”, insistiu, referindo-se a Tsipras.

MAIS INFORMAÇÕES

Em um comício no parque temático Ilha Mágica, diante de aproximadamente 2.000 militantes, para apresentar os 109 candidatos do PP às eleições da Andaluzia no próximo dia 22 de março, o presidente do Governo recordou os 26 bilhões de euros que a Espanha emprestou à Grécia “em um momento de dificuldade” para os cofres públicos. “Que todos cumpram com suas obrigações e compromissos, como nós fizemos. Senão, é impossível construir a União Europeia”, afirmou o presidente do Governo, que disse que a Espanha continuará sendo “solidária” com o “povo grego”.

No último 25 de fevereiro, depois de complicadas negociações, a União Europeia e o FMI aceitaram o plano de reformas da Grécia para fechar o acordo pelo qual se amplia a ajuda financeira a esse país até junho. Esse acordo motivou críticas internas no Syriza, a formação de esquerda comandada por Tsipras, que primeiro tentou fechar a ferida aberta e, mais tarde, respondeu com ataques aos governos de Espanha e Portugal.

Em um ato do seu partido, o primeiro-ministro grego censurou, no sábado, a atitude dos executivos conservadores da Europa mediterrânea. “Seu plano era e é desgastar, derrubar ou levar o nosso governo a uma rendição incondicional antes que o exemplo grego afete outros países. E, especialmente, antes das eleições da Espanha,” afirmou Tsipras, cuja chegada ao poder foi celebrada na Espanha pelo Podemos e pela Izquierda Unida, que vem no Syriza o machado que pode romper as políticas de austeridade na União Europeia que castigaram especialmente os países da Europa mediterrânea.

O governo português, do conservador Pedro Passos Coelho, já enviou, no sábado, sua reclamação formal aos presidentes do Conselho Europeu, Donald Tusk, e da Comissão Europeia, Jean-Claude Juncker, e considerou as afirmações de Tsipras “falsas, inéditas e impróprias de um líder europeu”.

Arquivado Em: