França usa o porta-aviões ‘Charles de Gaulle’ para bombardear o EI

Paris toma o passaporte de supostos jihadistas que viajariam à Síria

Imagem de arquivo do Charles de Gaulle.VÍDEO: REUTERS LIVE / FOTO: AFP (reuters_live)

A França utilizou nesta segunda-feira pela primeira vez o porta-aviões de propulsão nuclear Charles de Gaulle, nau capitânia de sua frota, para bombardear posições do Estado Islâmico (EI) no Iraque, segundo informações do Ministério da Defesa. Com a entrada em ação do navio nessas missões, Paris duplica sua capacidade para intervir contra os jihadistas no Iraque.

Dos bombardeios desta segunda-feira participaram oito caças-bombardeiros que decolaram do porta-aviões, localizado no Golfo Pérsico, para lançar bombas de 250 kg contra seus alvos. O navio 12 aviões Rafale e 9 Super Étendard e ficará na região por várias semanas mais.

Mais informações

O ministro da Defesa, Jean-Yves Le Drian, foi ao barco para acompanhar as primeiras operações e destacou a “firmeza total” da França na guerra contra os jihadistas. Também indicou, segundo seu ministério, que com esses bombardeios originados no Charles de Gaulle começa “uma nova etapa”.

O porta-aviões zarpou em 13 de janeiro de Toulon, no Sudeste da França, alguns dias apenas depois dos ataques jihadistas de Paris, ocorridos nos dias 7 e 9 do mesmo mês. Na ocasião, o presidente François Hollande ressaltou que o navio seria empregado para reforçar a operação de punição ao Estado Islâmico. A nau capitânia francesa é acompanhada por um submarino nuclear e duas fragatas, uma antissubmarina e outra antiaérea.

A nau capitânia francesa é acompanhada por um submarino nuclear e duas fragatas, uma antissubmarina e outra antiaérea

Até agora os aviões franceses que atuam nos bombardeios contra o Estado Islâmico partiam das bases de Al-Dhafra, em Abu Dabi (Emirados Árabes Unidos) e Azraq (Jordânia). Na primeira estão baseados nove Rafale, e na segunda, seis Mirage 2000. Os primeiros bombardeios foram registrados em 18 de setembro. A França foi o primeiro país europeu a se envolver militarmente nesse conflito.

Também pela primeira vez, a França aplicou nesta segunda-feira a nova legislação antiterrorismo aprovada no ano passado para combater as redes jihadistas dedicadas a recrutar combatentes para o EI. A polícia tomou o passaporte de seis pessoas suspeitas de querer viajar para a Síria para entrar no combate. Algumas delas foram denunciadas por pessoas próximas, por meio de um “telefone verde”, criado pelas forças de segurança e ao qual recorrem familiares e amigos de supostos futuros combatentes.

O ministro do Interior, Bernard Cazeneuve, informou que, além dessas, seu departamento tem em marcha outras 40 ações de tomada de passaportes nos próximos dias.

De acordo com a nova legislação, aprovada em novembro, a polícia pode tomar o passaporte, e portanto impedir viagens ao exterior, dos suspeitos de tentar se alistar no EI. A proibição vale por seis meses, podendo ser ampliada para dois anos. A decisão se dá em âmbito administrativo, mas os afetados podem recorrer depois à Justiça.

Segundo a norma, a polícia deve informar os dados dos atingidos a todos os países do espaço Schengen para que não possam viajar para fora da Europa a partir de qualquer outro país integrante do acordo de livre movimentação de cidadãos.

Mais informações

Arquivado Em

Recomendaciones EL PAÍS
Recomendaciones EL PAÍS
Logo elpais

Você não pode ler mais textos gratuitos este mês.

Assine para continuar lendo

Aproveite o acesso ilimitado com a sua assinatura

ASSINAR

Já sou assinante

Se quiser acompanhar todas as notícias sem limite, assine o EL PAÍS por 30 dias por 1 US$
Assine agora
Siga-nos em: