Estados Unidos

Obama quer emplacar medidas contra a desigualdade no fim do mandato

O presidente mostra a recuperação dos EUA e pede mais impostos sobre os ricos

Obama visita um centro infantil em Washington na segunda.
Obama visita um centro infantil em Washington na segunda.J. ERNST (REUTERS)

O presidente Barack Obama, na noite de terça-feira em Washington, vai colocar o combate à desigualdade no centro do debate político dos Estados Unidos. Fortalecido pela recuperação econômica do país, em seu discurso sobre o estado da União o presidente democrata vai propor a elevação dos impostos sobre os mais ricos e outras medidas de redistribuição para favorecer a classe média. As chances de as propostas avançarem no Congresso, dominado pelos republicanos, são poucas. A finalidade é outra. Em primeiro lugar, definir o campo de batalha ideológico antes das eleições presidenciais de 2016. Em segundo, consolidar o legado de Obama como o de um presidente que não apenas arrancou seu país da maior recessão em décadas, como atacou a desigualdade e a falta de oportunidades, uma ameaça ao sonho americano.

O discurso sobre o estado da União, feito diante das duas câmaras do Congresso, é um dos rituais da política norte-americana. O presidente expõe seu programa legislativo e apresenta seu diagnóstico do país. Desta vez Obama vai modificar o ritual: em vez de conservar a expectativa sobre suas propostas até o último dia, ele as vem desfiando uma a uma há semanas.

As propostas mais destacadas são a elevação para 28% do imposto sobre rendimentos de capital para os casais que ganham mais de meio milhão de dólares por ano (1,32 milhão de reais) e uma pressão maior sobre as heranças, além de um imposto sobre os bancos maiores. Em troca, o plano, que permitiria arrecadar 320 bilhões de dólares (849 bilhões de reais) nos próximos dez anos, contempla uma redução dos impostos pagos por famílias trabalhadoras e auxílios para a educação pré-escolar e as aposentadorias.

Mais informações

As medidas parecem inspiradas por Thomas Piketty, o economista francês autor de O capital no século XXI, um dos sucessos de 2014. Piketty destaca o acúmulo de riqueza por parte do 1% mais rico da população, precisamente o segmento sobre o qual recairiam as medidas de Obama, e o capitalismo patrimonial de herdeiros e grandes proprietários.

A iniciativa de Obama só se entende quando se leva em conta a irrupção da senadora Elizabeth Warren, do Massachusetts. Warren é a cabeça visível da ala populista do Partido Democrata, num país onde a palavra “populismo” não é forçosamente negativa, mas designa o discurso em defesa do povo frente às elites. Warren capta o mal-estar da classe média que não está se beneficiando do crescimento.

Não é a primeira vez que Obama propõe elevar os impostos sobre os mais ricos: esse foi um dos eixos de sua campanha para a reeleição, em 2012. Mas na época o Partido Republicano repudiava esse discurso. A palavra “desigualdade” não fazia parte de seu vocabulário; o termo mágico era “empreendedor”. Tudo muda, e hoje todos querem ser populistas. O estancamento da renda da classe média e a pobreza estão presentes nos discursos de todos os pré-candidatos republicanos à Casa Branca; embora eles discordem das soluções propostas pelo presidente democrata, concordam quanto ao diagnóstico.

Obama chega liberado ao discurso sobre o estado da União, o penúltimo que fará antes de deixar a Casa Branca, em dois anos. O desemprego caiu para 5,6%, o déficit orçamentário se aproxima de 3%, o PIB vem crescendo em ritmo sustentado; a gasolina está no preço mais baixo dos últimos seis anos, e 10 milhões de pessoas sem cobertura de saúde ganharam acesso ao seguro médico, graças à reforma da saúde.

Não é a primeira vez que Barack Obama propõe elevar os impostos sobre os mais ricos

Há um ano, 28% dos norte-americanos estavam satisfeitos com o andamento da economia; hoje, são 41%. Uma pesquisa do The Washington Post e da rede ABC situa a popularidade de Obama em 50%, o nível mais alto em quase dois anos. O presidente, que seus rivais e seus aliados pensaram estar liquidado depois da derrota democrata nas eleições legislativas de novembro passado, enfrenta confiante seu primeiro discurso sobre o estado da União com o Senado e a Câmara dominados pelo Partido Republicano.

Os últimos dois meses vêm sendo os mais ativos da presidência. Com a regularização provisória de milhões de imigrantes não documentados e o início do degelo com Cuba, Obama demonstra que não se resigna a ser um líder com as mãos amarradas, que só aguarda a hora de passar o bastão adiante. Suas mãos estão atadas por um Congresso adverso, mas ele pretende aproveitar a margem de manobra de que dispõe para deixar sua marca.

Mais informações

Arquivado Em

Recomendaciones EL PAÍS
Logo elpais

Você não pode ler mais textos gratuitos este mês.

Assine para continuar lendo

Aproveite o acesso ilimitado com a sua assinatura

ASSINAR

Já sou assinante

Se quiser acompanhar todas as notícias sem limite, assine o EL PAÍS por 30 dias por 1 US$
Assine agora
Siga-nos em: