Editoriais
i

A Europa vive

Milhões de cidadãos protagonizam a reação democrática contra a ameaça jihadista

As milhões de pessoas que saíram às ruas europeias, no domingo, em repúdio aos assassinatos dos humoristas do Charlie Hebdo, dos policiais e dos clientes de um supermercado judaico protagonizaram um fato histórico que representa um ponto de inflexão decisivo na atitude da sociedade europeia frente à ameaça jihadista.

O protesto em massa de Paris, o maior desde a libertação da capital francesa da ocupação nazista na II Guerra Mundial, envia uma clara mensagem de que os cidadãos das democracias não estão dispostos a ficar de braços cruzados enquanto sobre eles pessoas são condenadas à morte sob ordem de organizações que consideram a liberdade de expressão e os direitos humanos aberrações contra as quais qualquer crueldade é justificada. No domingo, Paris foi uma afirmação inequívoca de que a Europa, longe do estereótipo que a desenha como uma sociedade decadente, covarde e inútil frente ao suposto dinamismo jihadista, está viva e representa um muro formidável que se levanta contra o terrorismo e seu projeto totalitário. Como nos grandes momentos, demonstrou que sabe reagir quando seus valores supremos, os que definem seu modo de vida, estão ameaçados.

É inegável que a Europa foi protagonista de horrores ao longo da história, mas isso não é argumento para justificar qualquer coisa que se apresente como alternativa, nem é contraditório ao fato de que neste espaço floresceu a civilização mais iluminada e democrática que a humanidade já conheceu. Hoje é preciso recordar isso frente aos fanáticos selvagens que pretendem a destruição europeia e aos demagogos néscios que disfarçam muito bem sua covardia.

Mais informações

De Paris se enviou no domingo uma mensagem com vários destinatários. Em primeiro lugar, os próprios jihadistas. Os manifestantes que transbordaram o centro de Paris o fizeram à la francesa: longe de qualquer uniformidade, a manifestação se transformou em um amálgama de participantes de todo o mundo. Cada um compareceu com a bandeira, a indumentária e os símbolos –religiosos ou não— que quis, e gritou o que achava melhor. E fez isso em um ambiente pacífico, sem ameaças nem agressividade. A condenação de alguns assassinos se converteu em uma afirmação de pessoas de todas as raças e religiões que concebem a convivência como exercício da liberdade e mostra de pluralidade.

Mas a mensagem também é dirigida aos governantes desses manifestantes. Além do gesto histórico da presença de chefes de Estado e Governo de vários países, a manifestação cívica é uma instrução clara a esses líderes, especialmente aos europeus, de que contam com o apoio popular para adotar normas que evitem, por exemplo, que desenhar em um jornal ou comprar em uma loja judaica possa custar a vida a alguém. A imagem da multidão pedindo aos atiradores de elite da polícia francesa que ficassem de pé sobre os telhados para exaltá-los e aplaudi-los reflete muito bem o apoio da população às iniciativas que protejam de forma eficaz as democracias europeias.

Os ministros do Interior europeus aprovaram medidas –como acelerar a criação de um registro europeu de passageiros aéreos e reforçar o controle de fronteiras contra jihadistas europeus—, cujos detalhes e entrada em vigor estão sujeitos a debates e prazos próprios dos sistemas democráticos, mas que contam com o selo de terem sido acordadas, literalmente, com o apoio dos cidadãos nas ruas.

É responsabilidade dos políticos estar agora à altura das circunstâncias, ir além das imagens, importantes e significativas, sem dúvida –como a corrente humana que, de braços dados, fizeram no domingo Hollande, Merkel, Cameron, Rajoy, Renzi, Juncker, Tusk e Samaras, entre outros—, e construir a Europa que queremos continuar a sentir orgulho.