Seleccione Edição
Login
DE MAR A MAR

Ressaca brasileira

Observou-se que, com seu novo gabinete, Dilma Rousseff buscou se blindar de Lula. Mas talvez aconteça o contrário

Durante seu segundo mandato, Dilma Rousseff estará impedida de cumprir as duas promessas tradicionais da esquerda: desafiar as pretensões do mercado e refundar a política sobre procedimentos transparentes. Dilma consumirá parte de seu capital em ajustar a economia. E deverá continuar dando explicações pelo escândalo da Petrobras, com o qual conviverá durante todo o seu mandato. Lula da Silva e a cúpula do PT a observam a partir de agora com a precaução de quem olha o equilibrista caminhar com passo incerto sobre uma corda-bamba. Já escolheram a bandeira em que se envolverão até a próxima eleição: o conflito com os meios de comunicação. É uma estratégia habitual no populismo latino-americano. Já que não pode modificar a realidade, contesta sua interpretação.

Em 9 de setembro, Dilma acusou sua rival Marina Silva de pretender, caso chegasse à Presidência, entregar sua gestão econômica aos banqueiros. Na quinta-feira passada, nomeou Joaquim Levy, diretor da área de investimentos do Bradesco, o segundo maior banco privado do Brasil, como ministro da Fazenda. Joaquim Levy, que se doutorou em Chicago, é chamado de Mãos de Tesoura. Ele adora esse apelido. Promete reduzir subsídios e a inflação para recuperar o crescimento. Cabe a ele, junto com Nelson Barbosa, ministro do Planejamento oriundo do Banco do Brasil, e Alexandre Tombini, que permanece no Banco Central, administrar a ressaca de uma festa de consumo.

O novo ministro do Desenvolvimento é o empresário Armando Monteiro. E a da Agricultura, Kátia Abreu, lidera a Confederação Nacional da Agricultura. É a Thatcher do campo.

Impossível duvidar da ortodoxia dessa equipe. O enigma é se Dilma a respaldará. Além de reparos ideológicos, ela poderá ter restrições temperamentais. Padece de uma propensão ao micromanagement e costuma submeter seus colaboradores a surtos de ira que eles denominam, respeitosamente, de “síndrome da tensão criativa”. Barbosa inaugurou a experiência: já precisou desmentir que, como havia prometido, vá reduzir o salário mínimo.

A Petrobras é outro manancial de dissabores. Ninguém conhece a lista completa dos políticos que se locupletaram nessa caixa preta, da qual saíram cerca de 10 bilhões de reais. A partilha do dinheiro complica a partilha de poder. Cada nomeação pode esconder um novo pesadelo. Na semana passada, o diretor de uma empresa japonesa confessou que recursos foram desviados para a campanha de Rousseff.

A Petrobras deve 135 bilhões de dólares. E a queda do preço do petróleo dificulta a exploração de sua grande jazida de águas profundas. O fundo de investimentos Aurelius pediu que seja declarado seu default. A empresa contamina a imagem geral dos negócios. E começa a se ouvir que outra tempestade pode se desencadear na Eletrobras, a maior empresa elétrica da América Latina.

Lula sempre subordinou a economia às regras da arte e preferiu satisfazer a sua paróquia com experimentos de política externa. Dilma fechou esse caminho. Seu ex-embaixador em Washington e novo chanceler, o experiente Mauro Vieira, terá em setembro o maior desafio do ano: coroar a reconciliação com os Estados Unidos com uma visita da presidenta a esse país.

O PT adotou desta vez outra receita para preservar sua identidade. Ricardo Berzoini, o ministro das Comunicações, pretende realizar o velho sonho de regular o jornalismo. Talvez não seja o mais indicado para isso. Em 2006, Berzoini precisou se afastar da campanha de Lula ao ser envolvido em um escândalo por causa da compra de um dossiê para prejudicar José Serra, o candidato do PSDB. Uma possível deserção na luta pela qualidade informativa.

A pretensão do PT de controlar a imprensa surgiu durante o mensalão, em 2005, e se reaviva com a crise da Petrobras. Franklin Martins, ex-secretário de Comunicação Social de Lula, projetou uma lei que Dilma nunca enviou ao Congresso. Há dois meses, o partido pleiteou “democratizar a mídia para construir hegemonia na sociedade”. A designação de Berzoini foi a aceitação dessa exigência.

O intervencionismo do PT repete argumentos de Chávez, Correa e dos dois Kirchner: o Estado deve colocar a corporação midiática a serviço do povo, para que todas as vozes possam ser ouvidas. Os procedimentos sugeridos no Brasil para atingir esse objetivo são semelhantes aos da Argentina: declara-se que os meios de comunicação são um serviço público; propõe-se uma lei contra monopólios, embora existam órgãos de defesa da concorrência; e alimentam-se com publicidade estatal organizações amigas do partido, que de outra forma não poderiam se financiar.

A reforma oferece benefícios a seus promotores, embora acabe atolada no Congresso ou nos tribunais. Cada informação inconveniente poderá ser apresentada como a vingança de um veículo afetado em seus interesses econômicos. “Construir hegemonia na sociedade” costuma ser um pretexto para alcançar a hegemonia do Governo.

Observou-se que, com seu novo gabinete, Dilma buscou se blindar de Lula. Mas é possível que ocorra o contrário. Lula, que acaba de ser postulado como presidente para 2018, talvez prefira se distanciar de uma administração que pode se tornar impopular e homenagear a sua base mais ideologizada, desatando um conflito com a mídia. É o destino do populismo latino-americano. Impedido de remodelar a sociedade, só lhe resta preservar seu patrimônio autoritário.