Espanha envia apenas seu embaixador à posse de Dilma

Nenhum membro do Governo nem da Casa do Rei virá ao Brasil

Cerimonial ensaia para a posse presidencial.
Cerimonial ensaia para a posse presidencial.Elza Fiúza (Agência Brasil)

Brasília cuida dos últimos retoques para a cerimônia de posse do segundo mandato da presidenta Dilma Rousseff, que deve reunir 30 mil pessoas na Esplanada dos Ministérios no primeiro dia de 2015. O roteiro do evento de quinta-feira inclui desfile em carro aberto, cerimônia no Congresso Nacional, discurso ao povo no Palácio do Planalto, e posse de ministros, e termina com uma recepção no Palácio Itamaraty. As cerimônias, que foram ensaiadas pelo cerimonial do Governo, começam às 14h30, e devem contar com um número maior de representantes estrangeiros da América Latina do que da Europa.

Mais informações
Pressionada a agradar aliados, Dilma aposta em gabinete polêmico
“As marcas da tortura sou eu. Fazem parte de mim”, diz Dilma
Governo reduz de 2% para 0,8% a estimativa de crescimento em 2015

A Espanha estará representada apenas por seu embaixador no Brasil, Manuel de la Cámara, segundo confirmaram ao EL PAÍS fontes de La Moncloa. A data, 1º de janeiro, e o fato de se tratar de uma reeleição e não de um primeiro mandato parecem ter feito com que a delegação espanhola seja a de menor nível na posse de um presidente ibero-americano nos últimos anos, apesar de se tratar de um gigante como o Brasil.

As fontes consultadas afirmaram que a representação espanhola será semelhante à de outros países europeus, mas a Espanha nunca se comparou a seus parceiros da UE nesse tipo de evento. Até sua coroação, em junho passado, dom Felipe era assíduo nas cerimônias de posse dos governantes ibero-americanos, o que lhe garantiu um profundo conhecimento da classe política do continente. Depois do destaque da Chefatura de Estado, foi o próprio Mariano Rajoy quem compareceu em julho à posse do novo presidente panamenho Juan Carlos Varela, enquanto o rei Juan Carlos assistiu em agosto, depois de sua abdicação, à do colombiano Juan Manuel Santos que, como Rousseff, iniciava seu segundo mandato.

Fontes brasileiras confirmaram ao EL PAÍS a participação dos presidentes do Chile, Paraguai, Uruguai, Venezuela e Costa Rica, assim como do vice-presidente dos EUA, Joe Biden, na posse. Apesar de o Governo de Rajoy não manter com o governo de Rousseff as intensas relações políticas que mantém com México ou Colômbia, as relações econômicas são muito intensas e o Brasil é, com o Reino Unido, o primeiro destino dos investimentos espanhóis no exterior, com um saldo acumulado que supera os 65 bilhões de euros (cerca de 210 bilhões de reais).

Mais informações

Arquivado Em

Recomendaciones EL PAÍS
Recomendaciones EL PAÍS