Evo Morales critica o México pelo narcotráfico e o caso Iguala

O presidente do Uruguai, José Mujica, também chamou o Estado de “falido”

Evo Morales e José Mujica, em encontro no último dia 17.
Evo Morales e José Mujica, em encontro no último dia 17. JUAN MABROMATA / AFP

As mais recentes declarações do presidente da Bolívia, Evo Morales, incomodaram nesta sexta-feira o mandatário mexicano de Enrique Peña Nieto. Em cerimônia com policiais de seu país, o presidente boliviano afirmou nesta manhã que Colômbia e México têm “problemas profundos” com o narcotráfico, devido a seu modelo “fracassado” de livre mercado, que segundo o governante os submete ao “império norte-americano”.

“Vemos como está a Colômbia, especialmente como está o México, os últimos acontecimentos. Continuo pensando que o modelo ali está falido”, disse Morales em alusão ao desaparecimento de 43 estudantes de magistério em 26 de setembro em Iguala, Guerrero, fato que provocou comoção no país. E acrescentou: “Parece que o crime está acima do Estado”.

Mais informações

A resposta do Governo mexicano não se fez esperar. A Secretaria de Relações Exteriores enviou uma nota diplomática à chancelaria boliviana em que manifesta sua “surpresa e preocupação” pelas declarações de Morales.

"Estas reiteradas manifestações fomentam uma falsa percepção de divisão regional, num momento em que os países da América Latina e do Caribe, o México em particular, estão empenhados em construir um espaço de unidade e diálogo na figura da Comunidade de Estados Latino-americanos e Caribenhos.”

No comunicado distribuído aos meios de comunicação, o Governo mexicano frisa que o “México privilegia o diálogo respeitoso em nível regional e a interação entre países, reconhecendo a diversidade que existe na América Latina e no Caribe, sobre uma base de diálogo e cooperação”. A Secretaria de Relações Exteriores também “confia no espírito de concertação que hoje prevalece na região”.

Não é primeira vez que um líder do continente critica a condução do caso Iguala. Há menos de um mês, o presidente do Uruguai, José Mujica, chamou na revista Foreign Affairs Latinoamerica o Estado mexicano de “falido e com poderes totalmente fora de controle”, vinculando o desaparecimento dos estudantes à “gigantesca corrupção que existe no México”. Em suas declarações à revista, Mujica afirmou também: “No México, a corrupção está instalada, me parece, vista à distância, como um costume social tácito. Com certeza o corrupto não é malvisto, é um vencedor, é um senhor esplêndido”. A Secretaria de Relações Exteriores repudiou categoricamente as acusações e anunciou que convocaria o embaixador do Uruguai para lhe pedir explicações. Horas depois, o presidente do Uruguai se retratou no site da Presidência de seu país.

O choque diplomático, desta vez com a Bolívia, ocorre apenas uma semana depois de concluída em Veracruz a XXIV Cúpula Ibero-americana, encontro que não teve a presença de Evo Morales e outros cinco líderes da região. Durante a quarta reunião da Comissão Binacional Permanente México-Bolívia, em julho, a chancelaria lembrou que os dois países mantêm uma das relações de cooperação mais antigas e fizeram acordo para reforçar seus vínculos econômicos, com um comércio bilateral que nos últimos dez anos passou de 50 milhões de dólares para 250.

No EL PAÍS, dezenas de jornalistas trabalham para levar a você as informações apuradas com mais cuidado e para cumprir sua missão de serviço público. Se quiser apoiar nosso jornalismo e ter acesso ilimitado, pode fazê-lo aqui por 1 euro no primeiro mês e 10 euros a partir do mês seguinte, sem compromisso de permanência.

Inscreva-se

Mais informações

O mais visto em ...

Top 50