Seleccione Edição
Entra no EL PAÍS
Login Não está cadastrado? Crie sua conta Assine

Expulsos de suas terras

Há 112 mil indígenas no Paraguai e 75% deles vivem em situação de extrema pobreza e sob ameaça de etnocídio

  • Vista de Assunção do cerro Lambaré. Milhares de indígenas sobrevivem na cidade em situação de extrema pobreza.
    1Vista de Assunção do cerro Lambaré. Milhares de indígenas sobrevivem na cidade em situação de extrema pobreza.
  • Menina avá guaraní caminha pela comunidade de Cerro Poty, ao lado do aterro de Assunção.
    2Menina avá guaraní caminha pela comunidade de Cerro Poty, ao lado do aterro de Assunção.
  • Vista do riacho e da montanha Lambaré. Perto dali vive a comunidade indígena.
    3Vista do riacho e da montanha Lambaré. Perto dali vive a comunidade indígena.
  • Os avá guaraní Faustino Vera, de 20 anos, sua mulher Silvia, de 19 anos e seu filho Charlie, de três, próximo de casa na comunidade de Cerro Poty.
    4Os avá guaraní Faustino Vera, de 20 anos, sua mulher Silvia, de 19 anos e seu filho Charlie, de três, próximo de casa na comunidade de Cerro Poty.
  • Petrona Ruíz, representante da comunidade avá guaraní de Cerro Poty.
    5Petrona Ruíz, representante da comunidade avá guaraní de Cerro Poty.
  • Criança da comunidade de Cerro Poty em área com garrafas para reciclar e arquivos da escola que se inundou há meses.
    6Criança da comunidade de Cerro Poty em área com garrafas para reciclar e arquivos da escola que se inundou há meses.
  • Martín Arce é avá guaraní, tem 42 anos e, e com as filhas, acampa em frente ao Instituto Paraguaio do Indigena (INDI).
    7Martín Arce é avá guaraní, tem 42 anos e, e com as filhas, acampa em frente ao Instituto Paraguaio do Indigena (INDI).
  • Indígenas que estavam em situação de rua jogam o futebol em centro infantil em San Lorenzo. A Secretaria Nacional da Adolescência levou-os para lá.
    8Indígenas que estavam em situação de rua jogam o futebol em centro infantil em San Lorenzo. A Secretaria Nacional da Adolescência levou-os para lá.
  • Máximo, um trabalhador indígena da empresa agropecuária San Antonio SA, tomada tereré na estância onde vivem. O administrador da empresa contrata trabalhadores indígenas do local, mas muitos exigem que a comunidade, que está dentro das terras da companhia, seja reconhecida.
    9Máximo, um trabalhador indígena da empresa agropecuária San Antonio SA, tomada tereré na estância onde vivem. O administrador da empresa contrata trabalhadores indígenas do local, mas muitos exigem que a comunidade, que está dentro das terras da companhia, seja reconhecida.
  • Indígena Mbyá Guaraní olha através de buraco no plástico que o protege da chuva que cai sobre o acampamento montado em frente ao Indi (Instituto Paraguaio do Indígena, na tradução).
    10Indígena Mbyá Guaraní olha através de buraco no plástico que o protege da chuva que cai sobre o acampamento montado em frente ao Indi (Instituto Paraguaio do Indígena, na tradução).
  • Criança da etnia Mbyá Guaraní caminha para se refugiar de chuva. Ela e sua família vivem há semanas em frente ao Indi.
    11Criança da etnia Mbyá Guaraní caminha para se refugiar de chuva. Ela e sua família vivem há semanas em frente ao Indi.
  • Crianças indígenas da etnia mbyá guaraní assistem a um filme no centro infantil em San Lorenzo. Até poucas semanas atrás, elas viviam nas ruas de Assunção.
    12Crianças indígenas da etnia mbyá guaraní assistem a um filme no centro infantil em San Lorenzo. Até poucas semanas atrás, elas viviam nas ruas de Assunção.
  • Criança ajuda outra a tomar banho aproveitando a chuva no acampamento que suas famílias montaram, em frente ao INDI (Instituto Paraguaio do Indígena, na tradução) em Assunção, para protestar exigindo mais terras.
    13Criança ajuda outra a tomar banho aproveitando a chuva no acampamento que suas famílias montaram, em frente ao INDI (Instituto Paraguaio do Indígena, na tradução) em Assunção, para protestar exigindo mais terras.