_
_
_
_
O OBSERVADOR GLOBAL
Coluna
Artigos de opinião escritos ao estilo de seu autor. Estes textos se devem basear em fatos verificados e devem ser respeitosos para com as pessoas, embora suas ações se possam criticar. Todos os artigos de opinião escritos por indivíduos exteriores à equipe do EL PAÍS devem apresentar, junto com o nome do autor (independentemente do seu maior ou menor reconhecimento), um rodapé indicando o seu cargo, título académico, filiação política (caso exista) e ocupação principal, ou a ocupação relacionada com o tópico em questão

Uma visita ao futuro

No Vale do Silício, percebe-se que gigantes como Google e Facebook se sentem inseguros

Moisés Naím

Acabo de passar uns dias no Vale do Silício. Deste vale californiano com frequência emanam novas tecnologias que mudam a vida de milhões de pessoas em todo o mundo. Estive conversando com inventores, empreendedores e investidores, assim como com os chefes das empresas onde trabalham. Muitas delas geram vultosos lucros, enquanto outras ainda não, e possivelmente nunca venham a gerar. As mais surpreendentes são aquelas adquiridas por quantias enormes, apesar de oferecerem lucros relativamente baixos. O WhatsApp, empresa que oferece uma aplicativo para enviar e receber mensagens, foi criado em 2009 e conta com 55 empregados e 20 milhões de dólares já faturados. Em fevereiro, foi comprado pelo Facebook por 19 bilhões de dólares (47,1 bilhões de reais).

Uma tendência que se acelerou é a de empresas da Internet com enorme sucesso e sem fins lucrativos; só querem fazer o bem. Uma das mais destacadas é a Khan Academy, criada por Salman Khan, um jovem empreendedor que está revolucionando a educação em escala mundial. Outro exemplo vem de Vint Cerf, um dos criadores da Internet, que junto com seus colegas renunciou a monetizar sua criação.

Falar de mudança no Vale do Silício é como falar de pão em uma padaria: é o que se faz por lá. Disso vivem, só nisso pensam, e a isso dedicam o imenso talento que ali se concentra e a inimaginável quantidade de dinheiro pronto para apostar nas ideias mais audazes. É a cultura inerente ao Vale do Silício: a ambição, a busca por grandes números de usuários, a propensão ao solucionismo, ou seja, a hipótese de que todo problema tem solução, e que muito provavelmente essa solução implica o uso da Internet. É uma cultura de jovens, de gente que vem de todas as partes do mundo, onde o que importa é o que alguém sabe ou o que alguém pode inventar, não onde nasceu, a cor da sua pele, seu sotaque, como se veste ou quem são seus pais. É a meritocracia mais intensa que já vi. Também é uma cultura que desdenha do Governo, das organizações hierárquicas e centralizadas. Por outro lado, venera a informalidade, a agilidade, a mobilidade, a inteligência e sobretudo a propensão ao risco e, mais concretamente, o fato de não ter medo do fracasso. Enquanto em outras culturas um fracasso deixa uma marca negativa e indelével na reputação de uma pessoa, no Vale do Silício o fracasso é visto como uma valiosa aprendizagem que ajuda a evitar futuros erros. Cabe também destacar que o Vale do Silício poderia ser chamado de vale dos homens: o número de mulheres é surpreendentemente baixo.

Mais informações
O Vale do Silício procura novidades
Elizabeth Holmes, bilionária aos 30
Tecnologias para a saúde

Nessa visita, detectei algumas mudanças. Há mais empresas, mais tecnologias, mais iniciativas, mais incursão em novos setores – de automóveis a energia e exploração espacial –; há mais dinheiro disponível para o investimento e mais vontade de ter clientes fora dos Estados Unidos. Muitas das companhias recém-criadas são micromultinacionais: desde o início nascem com a ambição de operar mundialmente. O normal em outras partes do mundo é que as empresas sejam criadas com a vocação de funcionar em uma cidade ou uma região e, se tiverem sucesso, se expandam para o terreno nacional e depois a outros países. O Vale do Silício não funciona assim. Outra tendência que detectei é que, embora não admitam, os gigantes se sentem inseguros. Google, Facebook e outras das empresas maiores sentem a pressão de consumidores que se rebelam perante algumas das suas práticas e de Governos dispostos a endurecer as regulamentações.

Finalmente, quais são as principais surpresas que nos chegarão do Vale do Silício nos próximos anos? Impossível saber. Mas me arrisco a apontar três setores que contribuirão com inovações muito transformadoras. Um é o da energia, onde haverá interessantes inventos relacionados ao armazenamento e à melhora de baterias de grande tamanho, assim como tecnologias mais limpas e mais baratas. A segunda é a “Internet das coisas”, ou seja, a crescente interconexão de todo tipo de aparelho e objeto através da Rede. Espera-se que muito em breve a Internet esteja conectando entre si mais objetos (de eletrodomésticos a estoques farmacêuticos) do que pessoas. Um terceiro setor é a saúde: levei a impressão de que veremos interessantes avanços em tecnologias que melhoram a qualidade de vida dos anciões e outras que aumentam drasticamente a eficiência e barateiam os serviços médicos e hospitalares. E muitas mais: da popularização do dinheiro virtual, como o Bitcoin, à exploração do espaço e a proliferação de robôs de todo tipo.

E finalmente me parece interessante e muito revelador destacar alguns temas que ninguém mencionou em minhas conversas no Vale do Silício: o ebola, o Estado Islâmico e a Europa não pareciam despertar maior interesse nos meus interlocutores.

Estou no Twitter: @moisesnaim

Tu suscripción se está usando en otro dispositivo

¿Quieres añadir otro usuario a tu suscripción?

Si continúas leyendo en este dispositivo, no se podrá leer en el otro.

¿Por qué estás viendo esto?

Flecha

Tu suscripción se está usando en otro dispositivo y solo puedes acceder a EL PAÍS desde un dispositivo a la vez.

Si quieres compartir tu cuenta, cambia tu suscripción a la modalidad Premium, así podrás añadir otro usuario. Cada uno accederá con su propia cuenta de email, lo que os permitirá personalizar vuestra experiencia en EL PAÍS.

En el caso de no saber quién está usando tu cuenta, te recomendamos cambiar tu contraseña aquí.

Si decides continuar compartiendo tu cuenta, este mensaje se mostrará en tu dispositivo y en el de la otra persona que está usando tu cuenta de forma indefinida, afectando a tu experiencia de lectura. Puedes consultar aquí los términos y condiciones de la suscripción digital.

Arquivado Em

Recomendaciones EL PAÍS
Recomendaciones EL PAÍS
_
_