América Latina: uma desaceleração econômica sem dor?

Os tempos de crescimento estão ficando para trás, agora a região deverá enfrentar médias muito mais modestas

A classe média chegou a 32% da população na região em 2011.
A classe média chegou a 32% da população na região em 2011.EFE

A euforia dos altos dígitos de crescimento econômico parece estar se dissipando na América Latina. Os tempos de bonança, com expansões anuais médias entre 5% e 6%, estão ficando para trás. Agora, a região deverá enfrentar médias muito mais modestas.

Possíveis vítimas da desaceleração: os avanços sociais colhidos na última década, como a ascensão da classe média, a redução da pobreza e a menor disparidade – embora pouco significativa – entre ricos e pobres.

Segundo o relatório semestral do Banco Mundial, a região deverá se conformar com um crescimento de 1,2% do PIB em 2014 (com projeções de 2,2% para 2015), especialmente como consequência da recessão na Argentina (-1,5%) e na Venezuela (-2,9%) e do tênue desempenho do Brasil (0,5%), além da forte desaceleração de economias emergentes como China e Índia.

Em contraste, o país que mais crescerá este ano será o Panamá (6,6%), seguido da Bolívia (5,5%), Colômbia (4,9%) e Paraguai (4,8%).

Entrevista com Augusto de la Torre, economista chefe do Banco Mundial para América Latina.

No vídeo, Augusto de la Torre, economista chefe do Banco Mundial para a América Latina, explica o panorama econômico da região e o que os governos podem fazer para evitar que o baixo crescimento provoque um aumento das desigualdades sociais.

Debido a las excepcionales circunstancias, EL PAÍS está ofreciendo gratuitamente todos sus contenidos digitales. La información relativa al coronavirus seguirá en abierto mientras persista la gravedad de la crisis.

Decenas de periodistas trabajan sin descanso para llevarte la cobertura más rigurosa y cumplir con su misión de servicio público. Si quieres apoyar nuestro periodismo puedes hacerlo aquí por 1 euro el primer mes (a partir de junio 10 euros). Suscríbete a los hechos.

Suscríbete
O mais visto em ...Top 50