Aécio evoca Eduardo Campos e diz representar desejo de mudança

No primeiro discurso após passar para o segundo turno, presidenciável do PSDB diz que sua candidatura é “o desejo mais puro de todos os brasileiros”

Aécio Neves discursa ao lado da mulher, Letícia, após o resultado das eleições.
Aécio Neves discursa ao lado da mulher, Letícia, após o resultado das eleições.L. Z. (AFP)

Após passar semanas sob a ameaça de deixar a corrida presidencial prematuramente, um Aécio Neves (PSDB) confiante celebrou em Belo Horizonte a votação de 33,5% que lhe creditou a disputar o segundo turno nas eleições deste ano. “Um sentimento de mudança amplamente presente em todo o Brasil foi vitorioso no primeiro turno. Me sinto extremamente honrado por ser o representante desse sentimento nessas três semanas que nos separam da eleição”, discursou o senador mineiro.

Ao se dirigir a apoiadores em um hotel da capital mineira na noite deste domingo, Aécio evocou a memória do ex-governador de Pernambuco Eduardo Campos, que morreu durante a corrida eleitoral, em agosto, em um acidente de avião. “Quero deixar uma palavra de homenagem muito pessoal a um amigo, a um homem publico honrado, digno, que foi abatido por uma tragédia no meio desta campanha: o governador Eduardo Campos”. O senador tucano seguiu: “a ele [Campos], aos seus ideais e aos seus sonhos, a minha reverência. Nós saberemos, juntos, transformá-los em unidade”.

Mais informações

O aceno a Campos sugere que o tucano aguarda o apoio, no segundo turno, da ex-senadora Marina Silva, que assumiu o lugar do ex-governador de Pernambuco na cabeça de chapa da campanha do PSB após a morte do socialista. Aécio e Campos haviam firmado um acordo de não agressão no início da campanha e mantinham uma relação cordial – o senador chegou a visitar o colega após o nascimento do último filho do socialista, Miguel. Marina Silva faz mistério, contudo, sobre um possível apoio aos tucanos no segundo turno.

Durante o discurso desta noite de domingo, Aécio disse que sua candidatura, agora, não é mais de um partido político ou de uma coligação, mas a representação do “desejo mais puro de todos os brasileiros”. “Vamos acreditar que é possível dar ao Brasil um governo que una decência e eficiência”, discursou, acrescentando que tem “enorme orgulho” das companhias que teve na corrida eleitoral, entre eles o ex-governador de Minas Gerais Antonio Anastasia, que se elegeu para o Senado.

Lamentando o insucesso de seu candidato ao governo de Minas, Pimenta da Veiga, o presidenciável tucano desejou “ao governador eleito [Fernando Pimentel, do PT] de Minas que tenha enorme êxito nas funções que passará a exercer a partir de 1 de janeiro”. Apesar da derrota local, Aécio prometeu se empenhar já nesta segunda-feira para tentar derrotar a presidenta Dilma Rousseff na disputa do segundo turno.