Coluna
i

Vale a pena votar domingo?

É preocupante e assustador o desleixo com que tratamos a nosso passado recente – e essa incapacidade de refletir sobre a história. A mudança depende somente de nós, de nosso engajamento.

Por uma dessas coincidências, as eleições de domingo ocorrem no exato dia em que comemoramos 26 anos de promulgação da Constituição vigente, cujo ordenamento jurídico pôs fim efetivo à nunca por demais execrada ditadura militar brasileira, que até hoje permanece assombrando a nossa frágil e débil democracia. Das oito da manhã às cinco da tarde, parte expressiva dos 140 milhões de eleitores aptos a votar, cerca de 70% do total da população, deverá se apresentar às urnas eletrônicas, exercendo o direito de escolher seus representantes no Poder Executivo e Legislativo estadual e federal (se o voto deve ser facultativo ou continuar obrigatório é uma discussão que não cabe aqui e agora).

O quadro que se pinta não é dos mais animadores, certamente. Em São Paulo, que, concentrando um terço do Produto Interno Bruto (PIB) nacional, é tido como o estado mais parecido com o modelo econômico-social que desejamos aperfeiçoar e exportar para o resto da Federação, encontramos candidatos cujo deboche pela política aparece no próprio nome com que se apresentam ao eleitor. Eis algumas bizarrices, pinçadas ao acaso, entre postulantes a deputado federal: Obama Brasil, Toninho do Diabo, Carlão do Doce, Macaco Tião Cláudia, Rique O Tchê-Tchê, Doutor Verme, Meu Querido, Mick Jagger do Brasil, Valmir Olho de Lobo, Newton – O Homem do Chapéu, e outros, e muitos.

Também não é alentador perceber que os concorrentes, principalmente aqueles que disputam cargos executivos, ao invés de oferecer ideias e propostas para, se não resolver, pelo menos amainar problemas graves e estruturais do país, como os ligados à educação, saúde, segurança, mobilidade urbana, meio-ambiente, preferem patinar em acusações e tentativa de aniquilação uns dos outros. E é decepcionante acompanhar as notícias que dão conta de que alguns nomes, claramente identificados à corrupção, ao coronelismo e ao banditismo puro e simples, de todos os partidos e todas as ideologias, permanecerão por pelo menos mais quatro anos mandando em seus feudos com a arrogância de quem se escuda na impunidade garantida pela posição que ocupam na sociedade.

Mas, por mais frustrante que seja esse cenário, sabemos que a mudança depende somente de nós, de nosso engajamento, de nossa participação. Candidatos que debocham do processo eleitoral, como os que usam o horário partidário para promover-se egoisticamente, aproveitam-se da liberdade garantida pela legislação, e, mesmo que por acaso eleitos, rapidamente serão absorvidos pela máquina burocrática – ou se tornam políticos profissionais ou são devolvidos ao anonimato da vida comum. Também não ameaça a democracia, embora a empobreça, a falta de propostas dos candidatos. Preocupante e assustador, entretanto, é o desleixo com que tratamos a nosso passado recente – e essa incapacidade de refletir sobre a história, isso sim é algo que deveríamos temer.

Neste ano, em que completam-se 50 anos do golpe que instalou os militares no poder, temos assistido a uma profusão de manifestações autoritárias a nos lembrar que estamos longe ainda de constituirmos um sólido estado de direito. Apesar de realizarmos a sétima eleição direta consecutiva para a Presidência da República – o maior período de democracia de toda a história política do Brasil –, superando traumas (como o impeachment de Fernando Collor) e preconceitos (como a investidura de um ex-metalúrgico e de uma ex-guerrilheira), o pensamento prepotente cavalga pelas ruas e avenidas e, principalmente, pelas redes sociais.

De maneira bastante emblemática, na última sexta-feira, dia 26, o sargento reformado do Exército, Marco Pollo Giordani, relançou em Porto Alegre seu livro Brasil, sempre. Giordani, que foi membro do DOI-CODI, órgão de inteligência responsável pela repressão durante a ditadura militar, defende, nesse volume, publicado originalmente em 1985, tópicos como racismo e eugenia e acrescenta, na segunda edição, um elogio à tortura como método policial. Publicada em 1985, o sargento sentiu-se encorajado em reeditar a obra, que teve há muitos anos esgotados os 20 mil exemplares originais, possivelmente por perceber um clima propício à difusão de suas ideias despóticas – uma página de Facebook, intitulada Apoiamos Patrícia Moreira contra a hipocrisia do politicamente correto, fundada em 14 de setembro, já conta com mais de seis mil seguidores. Patrícia Moreira é a torcedora que xingou o goleiro Aranha, do Santos, de macaco...

Ainda estamos longe de viver em um país ideal – o exercício da política no Brasil chega a ser constrangedor e muitas vezes chega a causar-nos nojo. Mas somente por meio do voto, ou seja, mergulhados na dinâmica própria da democracia, mesmo em uma acanhada, como a nossa, garantiremos que pregações como as de Marco Pollo Giordani somente convençam a uma minoria ignorante. Por isso, respondo à pergunta que encabeça esse artigo com um indiscutível sim, é essencial participar do processo eleitoral no próximo domingo.