Um forte terremoto atinge o Chile

O abalo de intensidade 6,4 na escala de Richter ocorreu em Santiago e na zona central do país

A defesa civil evacua um edifício em Viña del Mar.
A defesa civil evacua um edifício em Viña del Mar.E. F. (Reuters)

Um forte e prolongado terremoto de intensidade 6,4 na escala Richter ocorreu na tarde deste sábado na zona central do Chile, às 18h33 hora local (19h33 em Brasília), provocando cortes de eletricidade e o colapso das comunicações, sobretudo da telefonia celular. De acordo com uma informação do Escritório Nacional de Emergência, o abalo teve seu epicentro 37 quilômetros ao norte de Valparaíso, a 100 quilômetros de Santiago, que este fim de semana enfrenta uma forte chuva.

O abalo sísmico é o de maior intensidade que já ocorreu na capital chilena desde a madrugada do dia 27 de fevereiro de 2010, quando um terremoto de 8,8 graus afetou a região central e sul do Chile e um tsunami causou a morte de 156 chilenos. As autoridades descartaram o alerta de maremoto nas cidades costeiras e até agora não informaram sobre vítimas fatais nem danos materiais de gravidade. Cerca de 100.000 usuários da área metropolitana de Santiago ficaram sem luz, mas 95% serviço já foi restaurado.

O sismo afetou sete regiões do Chile, desde Coquimbo até Araucanía, e teve algumas réplicas menores. O metrô de Valparaíso suspendeu seus serviços e, em alguns centros comerciais da região, muito frequentados durante o final de semana, aconteceram alguns incidentes menores, como a queda de tetos. O intendente de Santiago, Claudio Orrego, disse à Televisão Nacional que a capital resistiu bem ao terremoto, embora tenha reconhecido as falhas nas comunicações. O prefeito de Valparaíso, Jorge Castro, disse que foram percebidos dois abalos em sua região e que os maiores problemas ocorreram nos shoppings, altamente visitados nos sábados pela tarde.

O Chile é um país sísmico e a infraestrutura privada e pública está preparada para enfrentar movimentos telúricos de magnitude. A população também é orientada sobre como atuar em caso de emergência, sobretudo depois do terremoto de 2010. O sismo deste sábado, no entanto, provocou o habitual nervosismo diante desse tipo de eventos. As autoridades se mobilizaram, os meios de comunicação cortaram suas transmissões habituais e os cidadãos ficaram em estado de alerta ante a possibilidade de novas réplicas, anunciadas pelos especialistas.

Arquivado Em: