Os famosos e os baldes de água gelada disparam a solidariedade na Internet

O 'Desafio do balde de gelo' arrecada 30 milhões de reais para o combate à Esclerose Lateral Amiotrófica

O brasileiro Marcelo, do Real Madrid, aceita o desafio.
O brasileiro Marcelo, do Real Madrid, aceita o desafio.

“Desafio Ellen Degeneres, Barack Obama e Chris D’Elia”, dizia Justin Bieber antes de jogar sobre si um balde de água gelada. O criador do Facebook, Mark Zuckerberg, agradeceu o governador de Nova Jersey, Chris Christie, por desafiá-lo, antes de se molhar e indicar Bill Gates. “Quero agradecer a Ingrid Michaelson e Lily Aldridge por este desafio”, esclarecia em seu vídeo a cantora Taylor Swift, antes de indicar Selena Gomez, Emma Stone e Ed Sheeran. Foi assim que se criou o meme mais popular do momento: o desafio do balde de gelo (ou ice bucket challenge, em Inglês).

Uma vez desafiado há duas opções: doar 100 dólares (mais de 200 reais) à ASL Organization ou levar um balde de água gelada diante de uma câmera em menos de 24 horas. A organização, que luta para encontrar uma cura para a Esclerose Lateral Amiotrófica (ELA), conseguiu arrecadar 30 milhões de reais com a campanha que se viralizou na Internet e à qual aderiram vários rostos famosos. Uma campanha que, de início, buscava apenas conscientizar sobre a doença degenerativa que afeta cerca de 30.000 americanos e 4.000 espanhóis.

Em vez de escolher uma das duas opções, os atores, cantores ou reis do Vale do Silício que aceitaram o desafio optaram por uma terceira via: doar e se molhar. “Fomos desafiados. Se não aceitarmos, temos que doar dinheiro para pesquisa sobre a ELA. Mas vamos fazer as duas coisas”. O apresentador do Tonight Show, Jimmy Fallon, encharcou-se junto com Rob Riggle, Horatio Sanz, Steve Higgins e a banda The Roots, ao vivo durante o seu programa, depois de ser desafiado pelo cantor Justin Timberlake.

Foram tantos os vídeos de famosos que quase 260.000 pessoas se animaram a doar dinheiro para a organização. Segundo o Facebook, os usuários compartilharam mais de 1,2 milhão desses vídeos entre 1º de junho e 13 agosto. No Twitter, o fenômeno foi mencionado mais de 2,2 milhões de vezes desde 29 de julho. E a incrível quantidade de dinheiro que conseguiram arrecadar ultrapassa em muito os 3 milhões de reais que a entidade havia conseguido no mesmo período do ano passado.

No Brasil, a moda também pegou, informa Camila Moraes. As apresentadoras da TV Globo Ana Maria Braga e Fátima Bernardes aceitaram o desafio ao vivo em seus respectivos programas, Mais Você e Encontro, relembrando instituições brasileiras que pesquisam sobre esse tipo de doença, a Abrela e o Instituto Paulo Gontijo. Neymar também topou participar da campanha e aproveitou a chance para desafiar um colega de profissão: Camilo Zúñiga, que o tirou da Copa do Mundo com a lesão que provocou na vértebra do craque. O jogador colombiano aceitou a brincadeira. 

Tudo começou quando Pete Frates, o ex-capitão do time de beisebol Boston College, que sofre da doença desde 2012, postou no Facebook um vídeo desafiando a si mesmo e balançando a cabeça ao ritmo de Ice, ice baby de Vanilla Ice. Logo as estrelas do Boston Bruins, Brad Marchand e Torey Krug tomaram a iniciativa e popularizaram a hashtag #IceBucketChallenge (às vezes #ASLIceBucketChallenge) nas redes sociais.

Na semana passada, Frates voltou a aceitar o desafio. Desta vez, indicou a comunidade das Grandes Ligas de Beisebol, a revista Fortune e Barack Obama. É o terceiro a indicar o presidente dos Estados Unidos, depois de Lebron James e Bieber, que também fez um segundo vídeo para desafiar os seus beliebers.

A ELA afetou outras figuras públicas, como o jogador de futebol italiano Stefano Borgonovo, que morreu no ano passado, e Stephen Hawkings, que vive com a doença desde os 21 anos, embora a expectativa de vida seja, em geral, de dois a cinco anos após o diagnóstico.

Debido a las excepcionales circunstancias, EL PAÍS está ofreciendo gratuitamente todos sus contenidos digitales. La información relativa al coronavirus seguirá en abierto mientras persista la gravedad de la crisis.

Decenas de periodistas trabajan sin descanso para llevarte la cobertura más rigurosa y cumplir con su misión de servicio público. Si quieres apoyar nuestro periodismo puedes hacerlo aquí por 1 euro el primer mes (a partir de junio 10 euros). Suscríbete a los hechos.

Suscríbete