luto na política brasileira

Pernambuco se prepara para o funeral de seu ex-governador

Os corpos de Eduardo Campos e de outras duas vítimas serão velados na sede do Governo estadual. A data ainda não foi definida

Uma mulher passa em frente a imagem de Campos em Recife.
Uma mulher passa em frente a imagem de Campos em Recife.Fernando Bizerra Jr. (EFE)

O Governo de Pernambuco prepara uma missa campal para homenagear o ex-governador Eduardo Campos (PSB), que morreu nesta quarta-feira, vítima de um acidente de avião, em Santos, litoral de São Paulo. A celebração ocorrerá na frente da sede do Executivo pernambucano, no Palácio do Campo das Princesas, em Recife, e será aberta ao público. O funeral ocorrerá no cemitério de Santo Amaro, onde foi sepultado o avô de Campos e seu mentor político, o ex-governador Miguel Arraes.

Os restos mortais das sete vítimas da queda da aeronave foram encaminhados na noite da quarta-feira ao Instituto Médico Legal de São Paulo, onde uma equipe de 30 peritos fazem os trabalhos de identificação. A realização dos exames de DNA será feita por uma equipe de 10 peritos do Instituto de Criminalística, especialistas em genética forense.

Mais informações
Uma vida política bem sucedida
O sonho da presidência para 2018
Tudo sobre Eduardo Campos

Como ainda não há uma previsão oficial de quando os trabalhos de identificação serão concluídos, a data do velório e da missa ainda não foi definida. Além do corpo de Campos, serão velados em Recife o fotógrafo Alexandre Severo e o assessor de imprensa Carlos Percol. A assessoria de imprensa do Governo local afirmou que a presidenta Dilma Rousseff (PT), candidata à reeleição e adversária política de Campos, já confirmou presença no evento.

Na manhã desta quinta-feira, uma comitiva do Governo de Pernambuco, liderada pelo governador João Lyra Neto (PSB), seguiu para a capital paulista para discutir os detalhes do traslado dos corpos. Lyra Neto deve se reunir com o governador de São Paulo, Geraldo Alckmin (PSDB).

O então candidato à presidência pelo PSB, Eduardo Campos, e outras seis pessoas morreram após a aeronave onde eles estavam cair em um bairro residencial de Santos. O grupo seguia do Rio de Janeiro para o Guarujá, na Baixada Santista, onde participariam de uma série de compromissos de campanha.

O avião Cessna 560 XL se despedaçou e os corpos de Campos, Percol, Severo, do cinegrafista Marcelo Lyra, do assessor Pedro Valadares e dos pilotos Geraldo da Cunha e Marcos Martins ficaram incinerados. Peritos da Polícia Científica paulista e da Polícia Federal estão desde a noite de quarta-feira analisando as partes encontradas para tentar identificá-las por meio de exames de DNA. O Governo federal decretou luto oficial de três dias e os principais candidatos à presidência suspenderam suas agendas de campanha pelo mesmo período.

Eduardo Campos tinha 49 anos. Deixou uma mulher e cinco filhos. Ele foi governador de Pernambuco por dois mandatos, deputado estadual, deputado federal, secretário estadual e pela primeira vez concorria ao cargo de presidente. Queria ser uma alternativa à polarização PT-PSDB. Com sua morte, o PSB deverá definir nos próximos dias quem será o nome do partido nas eleições deste ano.

Arquivado Em

Recomendaciones EL PAÍS
Recomendaciones EL PAÍS