Seleccione Edição
Login

“O Brasil perde um jovem político promissor”

A presidenta Dilma suspendeu suas atividades eleitorais nos próximos dois dias. Lula, Fernando Henrique e Sarney se dizem em luto

A morte do candidato à presidência Eduardo Campos provocou uma mudança na agenda política do país. Dilma Rousseff se pronunciou por volta das 17h no Palácio da Alvorada "em nome do Governo brasileiro" e deu "os mais profundos pêsames à família de Eduardo Campos". A presidenta disse que conviveu com Campos quando foi ministra do presidente Lula, e também durante as campanhas presidenciais de 2006 e 2010. Declarou luto oficial de três dias, o mesmo período de suspensão de suas atividades eleitorais. "Pese às divergências, sempre houve uma forte relação de respeito mútuo", disse, e concluiu o breve pronunciamento dando as condolências às famílias das vítimas.

Os ex-presidentes da República também lamentaram a morte precoce e "irreparável" do socialista.

O ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva chamou Eduardo, seu ex-ministro, de "amigo e companheiro". "O país perde um homem público de rara e extraordinária qualidade", afirmou. "O carinho, o respeito e a admiração mútua sempre estiveram presentes em nossa convivência". Ele também prestou solidariedade à família de Eduardo Campos e às dos outros passageiros e tripulantes da aeronave.

O ex-presidente Fernando Henrique Cardoso disse que "a perda maior é do país" e que "sua carreira nacional (a de Campos) apenas se iniciava. Fosse ou não eleito, seria um líder para a renovação política que tanto necessitamos". Ele prestou suas condolências aos familiares e classificou a perda como "irreparável".

O senador e ex-presidente José Sarney se disse chocado com a morte do presidenciável do PSB. "Deus é testemunha da minha emoção, do meu pesar e do quanto estou chocado com o falecimento de Eduardo Campos, a quem conheci ainda jovem, despontando como um grande talento", lamentou. "O Brasil perdeu uma de suas maiores esperanças políticas. Eduardo tinha um grande futuro e vivia um grande presente. Junto-me a sua família e ao povo brasileiro nesse sentimento de perda, e peço a Deus que nos console e nos ampare. O Brasil, o Nordeste e Pernambuco sentem o vazio que se abre – e que não será preenchido", complementou.