Uma série de tragédias mudaram os rumos da política brasileira

Os presidentes Castelo Branco e Tancredo Neves morreram em situações trágicas. O líder da Constituinte que redemocratizou o país, Ulysses Guimarães, também foi vítima um acidente aéreo

A morte prematura do ex-governador e candidato à presidência da República pelo PSB, nesta quinta-feira 13, integra um hall de óbitos acidentais que abalaram a política do Brasil. Os ex-presidentes Castelo Branco, Tancredo Neves e o deputado Ulysses Guimarães, comandante da Assembleia Constituinte que redemocratizou o Brasil, também tiveram a vida interrompida por tragédias.

Primeiro governante da ditadura militar, o Marechal Humberto de Alencar Castelo Branco morreu vítima de um acidente aéreo no interior do Estado do Ceará em 1967. A aeronave em que viajava colidiu com outro avião. Com seu óbito, o comando do país passou para as mãos do militar linha dura Costa e Silva e as esperanças de democratização foram sucumbidas. O regime ditatorial se perpetuou por duas décadas.

Já o primeiro presidente civil eleito após o golpe militar, Tancredo Neves, nem chegou a ocupar o posto. Foi internado vítima de diverticulite um dia antes de subir a rampa do Planalto. Cerca de um mês depois, ele morreu e deixou o cargo para o seu vice, Jose Sarney. Porém, houve uma ameaça de crise militar antes de permitirem que Sarney assumisse a presidência. Tancredo Neves é avô do candidato tucano ao comando do governo federal, Aécio Neves.

Outro episódio marcante da política brasileira foi o acidente aéreo em que morreu Ulysses Guimarães em 1992. O helicóptero em que estava o parlamentar caiu no litoral do Estado do Rio de Janeiro. Até hoje o seu corpo não foi encontrado. Ulysses Presidiu a Assembleia Nacional Constituinte que sacramentou a volta do Brasil ao regime democrático e tinha pretensões a concorrer à presidência da República em 1994.

Debido a las excepcionales circunstancias, EL PAÍS está ofreciendo gratuitamente todos sus contenidos digitales. La información relativa al coronavirus seguirá en abierto mientras persista la gravedad de la crisis.

Decenas de periodistas trabajan sin descanso para llevarte la cobertura más rigurosa y cumplir con su misión de servicio público. Si quieres apoyar nuestro periodismo puedes hacerlo aquí por 1 euro el primer mes (a partir de junio 10 euros). Suscríbete a los hechos.

Suscríbete