A Rússia concede a Snowden uma autorização de residência por três anos

O ex-analista da NSA que vazou os documentos no caso Wikileaks terá liberdade de movimentos e poderá viajar ao exterior

O ex-analista da NSA, Edward Snowden.
O ex-analista da NSA, Edward Snowden. (reuters)

Edward Snowden, o ex-analista da Agência Nacional de Segurança norte-americana (NSA) que revelou a espionagem maciça feita pelos Estados Unidos, pode respirar tranquilamente por mais três anos: a Rússia lhe concedeu uma autorização de residência por esse prazo, anunciou nesta quinta-feira seu advogado, Anatoli Kucherena.

MAIS INFORMAÇÕES

A medida está em vigor desde o dia 1 de agosto, explicou Kucherena em uma coletiva de imprensa feita sem a presença do informático, que chegou em Moscou no dia 23 de junho do ano passado, vindo de Hong Kong. A princípio, Snowden tinha planos de voar para a América do Sul, mas a reação dos Estados Unidos, que anularam seu passaporte e que poderiam interceptar o avião – como fizeram com a aeronave do presidente boliviano Evo Morales, quando pensou que este havia levado o fugitivo a Moscou – determinaram que ele mudasse seus planos e decidisse permanecer na Rússia.

Embora Kucherena tenha dito que Snowden poderá viajar para o exterior com o novo regime concedido pela Rússia, ele teria que ter algum outro tipo de documento de viagem em ordem que não seja o passaporte norte-americano, já que este foi anulado. A autorização de residência não é um documento de viagem nem dá o status de refugiado político, embora sim garanta quase todos os direitos que um russo teria.

Por razões de segurança, o país não divulgou publicamente onde Snowden trabalha, apesar de que, se ele quiser dar esta informação, pode, disse Kucherena. O advogado agregou que o informático tem uma vida relativamente normal na clandestinidade, estuda russo e passeia. Pelos mesmos motivos de segurança, explica que não pôde estar presente na coletiva de imprensa, mas "assim que houver qualquer oportunidade" Snowden comparecerá para falar com os jornalistas, assegurou o advogado.

Em agosto do ano passado, Snowden obteve asilo político temporal, mas agora escolheu este novo status. A princípio, se permanece na Rússia por cinco anos, poderia, se quisesse, solicitar a cidadania russa e obtê-la, manifestou Kucherena. Embora Snowden esteja livre para se deslocar livremente pelo território da Rússia, deve considerar as ameaças à sua segurança, explicou o advogado russo, que agregou que seu cliente não tem proteção Estatal, apesar conta com um guarda-costas.

O informático norte-americano vive do salário do trabalho que realiza na Rússia com as ajudas dadas por organizações não-governamentais. Snowden, segundo Kucherena, não tem relação alguma com as outras pessoas que supostamente seguiram seu exemplo.

Arquivado Em: