Os EUA recebem a segunda paciente infectada pelo ebola

Nancy Writebol será tratada em Atlanta junto com um colega que também adoeceu

A ambulância que leva Nancy Writebol chega escoltada ao hospital da Universidade Emory.
A ambulância que leva Nancy Writebol chega escoltada ao hospital da Universidade Emory.Todd Kirkland (AP)

Uma segunda cidadã norte-americana infectada pelo ebola na Libéria aterrissou nesta terça-feira em Atlanta (Geórgia) para receber tratamento contra o vírus, que não tem cura. Nancy Writebol, de 59 anos, contraiu o ebola enquanto participava de atividades de descontaminação realizadas pela organização religiosa à qual pertence. Dois dias antes, o mesmo avião especialmente equipado havia chegado aos EUA com seu colega Kent Bradley, que é médico.

MAIS INFORMAÇÕES

Ambos receberão tratamento no Hospital da Universidade Emory, escolhida pelas autoridades por ser um dos quatro centros de todo o país com uma câmara de isolamento especial para esses casos. Em Atlanta se encontra também a sede do Centro para o Controle de Doenças, que há mais de uma década colabora com a universidade em pesquisa e preparação de equipes para responder a situações como esta.

Segundo fontes hospitalares, tanto Writebol como Bradley são tratados com terapias para manter seu nível de hidratação e fluidos corporais, assim como a diálise, algo a que não teriam acesso na Libéria. Mas lá eles receberam uma dose de um soro experimental que teria contribuído para a sua melhora nas horas prévias à viagem para os EUA. Quando a ambulância de Bradley chegou ao hospital universitário Emory, no sábado, o paciente desceu sozinho e caminhou sem ajuda até o interior. Já Writebol, nesta terça-feira, desceu de maca, ajudada por dois enfermeiros.

Brantly e Writebol, de acordo com fontes citadas pela imprensa dos EUA, foram tratados com um medicamento conhecido como ZMapp, desenvolvido por uma empresa de biotecnologia na Califórnia. Ambos foram informados dos riscos de receber uma droga nunca antes provada em humanos, e da qual se desconhecem seus efeitos colaterais. O médico Thomas Frieden, diretor do CDC, assegura que ambos os pacientes, que tinham apresentado sintomas de febre, vômitos e diarreia, evoluem favoravelmente, embora não tenha revelado mais detalhe sobre seu estado.

A chegada dos dois norte-americanos coincide com um aumento da preocupação em grandes cidades, como Nova York, onde duas pessoas foram submetidas a exames para descartar que estivessem contaminadas após viajar à zona afetada. O hospital Mount Sinai, em Manhattan, atendeu no domingo um homem que tinha febre alta e problemas gastrointestinais após chegar de avião da África, mas logo se descartou uma possível contaminação.

“Os pacientes foram submetidos a exames por terem sintomas comuns à enfermidade e para excluir o vírus de maneira definitiva”, afirmou em nota o Departamento de Saúde da Prefeitura de Nova York. “Estão sendo tomadas todas as medidas necessárias para garantir a segurança dos pacientes, das visitas e dos funcionários”.

Uma segunda pessoa foi transferida em caráter de urgência após ser detida no aeroporto do JFK em Nova York, ao se detectar que sua saúde se deteriorava rapidamente. Depois de permanecer isolado durante algumas horas, esse paciente foi submetido aos exames necessários, mas em apenas 24 horas os sintomas desapareceram e os médicos eliminaram a suspeita de ebola.

Arquivado Em: