O ex-ministro chinês de Segurança, Zhou Yongkang, é investigado por corrupção

Zhou Yongkang é o integrante do partido comunista com o cargo mais alto a ser investigado por "sérias violações de disciplina"

Zhou Yongkang, investigado por "sérias violações de disciplina".
Zhou Yongkang, investigado por "sérias violações de disciplina".Feng Li / Getty Images

O Comitê Central do Partido Comunista chinês (PCCh) anunciou nesta terça-feira que vai investigar Zhou Yongkang, ex-chefe dos serviços de segurança da potência asiática e o integrante de cargo mais alto do partido a ser investigado em décadas por “serias violações de disciplina”. A organização comunista anunciou a investigação em um sucinto comunicado publicado pela agência oficial Xinhua.

Zhou Yongkang foi ministro de Segurança Pública entre 2002 e 2007 e membro, entre 2007 e 2012, do Comitê Permanente do PCCh, o reduzido grupo que toma as decisões mais importantes na China, que contava então com nove membros – agora sete –, entre elas o presidente e o primeiro-ministro.

Zhou Yongkang não é visto em público há um bom tempo apesar de ainda ser membro do Politburo

O anúncio não disse, neste momento, quais leis infringiu aquele que foi conhecido como o Czar da Segurança do gigante asiático, que está com 71 anos de idade e sobre quem há tempos especulava-se que o PCCh planejava uma investigação.

As autoridades legais iniciaram investigações criminais contra três funcionários muito próximos a Zhou, entre eles três de seus ex-assistentes, em julho. São eles Yu Gang e Ji Wenlin, que trabalharam como secretários pessoais do ex-político chinês, e Tan Hong, um de seus seguranças. Os três enfrentam acusações de aceitar subornos.

Anteriormente, as autoridades haviam iniciado investigações contra outros membros do entorno de Zhou, como o ex-presidente da Conferencia Consultiva Política de Sichuan, Li Chongxi; o antigo vice-ministro de Segurança Pública, Li Dongsheng, e Jiang Jiemin, antigo responsável pela regulamentação das empresas estatais.

Também foi informado em junho desse ano que o filho mais velho de Zhou Yongkang, Zhou Bin, de 41 anos de idade, foi preso e enfrenta um possível julgamento por suborno, ainda que esta investigação não tenha sido confirmada oficialmente.

Zhou Yongkang não é visto em público há um bom tempo apesar de ainda ser, teoricamente, membro do Politburo – o segundo escalão de poder do Partido Comunista da China, atrás do Comitê Permanente – e ter que comparecer, portanto, às sessões anuais da Assembleia Nacional Popular, realizadas pela última vez em março.

Várias publicações não oficiais mostravam há tempos que Zhou seria o próximo objetivo da extensa campanha anticorrupção empreendida pelo Governo chinês desde a mudança de poder de 2013, e que o lema é combatê-la tanto “entre tigres como entre moscas”, em referência a indiferença à categoria do suspeito.

Até a investigação contra Zhou ser confirmada, o maior cargo a ter sido investigado pelo PCCh nas últimas décadas foi o ex-líder regional Bo Xilai, condenado à prisão perpétua há pouco menos de um ano por corrupção e abuso de poder, que já contou com a proteção do próprio Zhou quando estava no poder.

Debido a las excepcionales circunstancias, EL PAÍS está ofreciendo gratuitamente todos sus contenidos digitales. La información relativa al coronavirus seguirá en abierto mientras persista la gravedad de la crisis.

Decenas de periodistas trabajan sin descanso para llevarte la cobertura más rigurosa y cumplir con su misión de servicio público. Si quieres apoyar nuestro periodismo puedes hacerlo aquí por 1 euro el primer mes (a partir de junio 10 euros). Suscríbete a los hechos.

Suscríbete
O mais visto em ...Top 50