_
_
_
_

Gilmar Rinaldi, novo coordenador de seleções do futebol brasileiro

O técnico foi suplente do ex-goleiro Taffarel na Copa do Mundo de 1994

Gilmar Rinaldi e José Maria Marin durante uma coletiva de imprensa.
Gilmar Rinaldi e José Maria Marin durante uma coletiva de imprensa.T. M. (AFP)

O ex-goleiro e agente de jogadores Gilmar Rinaldi, de 55 anos, é o novo coordenador-geral de seleções da Confederação Brasileira de Futebol (CBF), como anunciou nesta quinta-feira no Rio de Janeiro o ainda presidente da instituição, José Maria Marin, que no começo da semana aceitou a demissão do treinador Luiz Felipe Scolari e de sua comissão técnica. Gilmar ocupará o cargo do assistente de Scolari, o campeão mundial em 1994 Carlos Alberto Parreira. O coordenador de categorias de base será Alexandre Gallo.

A cúpula da CBF anunciará o nome do novo técnico (cujo primeiro torneio importante será a Copa América 2015, em junho deste ano) no começo da semana que vem. Apesar do debate existente no futebol brasileiro, depois do ‘Mineiraço’, sobre a conveniência de dar impulso à renovação do duramente ferido futebol nacional com a contratação de um preparador estrangeiro, Gilmar descartou essa possibilidade. A imprensa chilena havia informado que a CBF tinha contatado o entorno de Manuel Pellegrini, treinador do Manchester City (que teria rejeitado a proposta), além de haver rumores sobre o nome do técnico argentino, Alejandro Sabella, e o treinador português do Chelsea José Mourinho. “Neste momento, um técnico estrangeiro não se adapta ‘a nossa realidade”, afirmou Gilmar. “Temos que buscar alguém de casa, que conheça nossos defeitos e nossas qualidades […] Tem de estar em sintonia direta conosco”, prosseguiu o coordenador, que reconheceu “não ter muito tempo para pensar” por ter “partidas amistosas em breve”. O vice-presidente da CBF, Marcos Ferreira, tinha indicado dias atrás que o “novo técnico tem que ser alguém que mude a mentalidade e a maneira de atuar dos jogadores. A impossibilidade de que seja um estrangeiro é um paradigma bobo”, disse o dirigente.

O novo coordenador de seleções foi goleiro suplente de Taffarel na seleção que conquistou a Copa de 1994 e trabalhou posteriormente como agente de jogadores durante 14 anos (atividade que abandona completamente agora, esclareceu, apesar de sua trajetória provocar algumas dúvidas por possíveis conflitos de interesse). Entre 1999 e 2001, ocupou um cargo de direção no Flamengo. Em sua primeira apresentação, Gilmar destacou a importância do trabalho coletivo e em várias ocasiões deu como exemplo a seleção alemã, pela priorização dos interesses grupais sobre os individuais. Observou até que nas vésperas da semifinal contra a Alemanha, antes do início da partida, os cartazes mostrados deveriam ter a frase “Força, Bernard’, em lugar de ‘Força, Neymar’, “porque ele era o jogador que iria entrar”.

Enquanto as apostas sobre a substituição de Scolari à frente da seleção mostram dois candidatos principais (Tite e Muricy Ramalho), começa a aumentar a temperatura dos previsíveis ataques à CBF depois do desastre contra a Alemanha. O deputado Romário propôs no Congresso anular as eleições recentes que concederam a presidência da CBF ao candidato único, Marco Polo del Nero, apadrinhado por Marin e hoje presidente da Federação Paulista de Futebol, que sucederá o atual presidente no ano que vem. Romário, campeão mundial em 1994, afirmou que quando uma seleção “com tanta história”, como a ‘Canarinho’, “perde de uma forma tão humilhante” é um “sinal de que graves problemas estão se acumulando”. O senador oposicionista Álvaro Dias apresentou, por sua vez, um projeto de lei para elevar o controle público sobre as contas da CBF, assunto que mobiliza há anos numerosos segmentos do esporte brasileiro, considerando os contínuos indícios de corrupção.

Rogério Ceni, o goleiro recentemente aposentado e membro do movimento Bom Senso F.C. (associação de jogadores que pede há dois anos uma reformulação completa do futebol brasileiro) indicou ontem que “no Campeonato não temos nem a metade do público do Mundial porque não se oferece nada. A CBF é extremamente rica e não tem feito nada”. Ele também se referiu aos candidatos presidenciais, incluindo a presidenta Dilma Rousseff (que se reuniu com a associação há algumas semanas): “Quem sabe, agora em campanha também se mexa um pouco. Na época de eleições, acabam se envolvendo”.

Tu suscripción se está usando en otro dispositivo

¿Quieres añadir otro usuario a tu suscripción?

Si continúas leyendo en este dispositivo, no se podrá leer en el otro.

¿Por qué estás viendo esto?

Flecha

Tu suscripción se está usando en otro dispositivo y solo puedes acceder a EL PAÍS desde un dispositivo a la vez.

Si quieres compartir tu cuenta, cambia tu suscripción a la modalidad Premium, así podrás añadir otro usuario. Cada uno accederá con su propia cuenta de email, lo que os permitirá personalizar vuestra experiencia en EL PAÍS.

En el caso de no saber quién está usando tu cuenta, te recomendamos cambiar tu contraseña aquí.

Si decides continuar compartiendo tu cuenta, este mensaje se mostrará en tu dispositivo y en el de la otra persona que está usando tu cuenta de forma indefinida, afectando a tu experiencia de lectura. Puedes consultar aquí los términos y condiciones de la suscripción digital.

Arquivado Em

Recomendaciones EL PAÍS
Recomendaciones EL PAÍS
_
_