OPINIÃO
Texto em que o autor defende ideias e chega a conclusões basadas na sua interpretação dos fatos e dados ao seu dispor

Essa loucura tão argentina

A piada começou antes da Copa do Mundo com a famosa canção que um torcedor inventou no chuveiro: “Brasiiillll decime qué se sienteee, tener en casa a tu papáaa…”

Messi e seus colegas celebram um gol contra o Irã.
Messi e seus colegas celebram um gol contra o Irã.getty

A piada começou antes da Copa do Mundo com a famosa canção que um torcedor criou no chuveiro: “Brasiiillll decime qué se sienteeeeee, tener en casa a tu papáaaaa…”. Seu pai? Alguém que só venceu duas copas diz ao único pentacampeão mundial que é seu pai? E tudo porque na Copa de 1990 Maradona fez uma grande jogada contra o Brasil, que culminou com um gol e a partida terminou em 1 a 0 para a Argentina. Parece não importar a Argentina ter perdido aquela Copa do Mundo. Nem o Brasil ganhar a Copa dos EUA em 1994, enquanto o papai caía nas oitavas. Ou o Brasil disputar a final 1998, depois de a Seleção Argentina cair nas quartas, nem tampouco o Brasil levar a Copa de 2002, com o papai eliminado na primeira rodada.

"Você vai ver o Messi...", dizia a canção, "Maradona é maior que Peléeee". Os brasileiros insistem que Pelé ganhou três Copas e Maradona uma. Mas a música era irresistível e os jogadores argentinos dançaram ao ritmo dela. Argentina parecia desfrutar da sorte dos vencedores.

A que se deve essa overdose de confiança tão necessária no futebol? Dizem que ele está nos genes. Por quê? Há muitas respostas

Alguns ficaram no grupo da morte, mas a Argentina ficou no da sorte. E, mesmo assim, viu-se em apuros. Ganhou da Bósnia por 2 a 1 com um gol contra de Kolasinac; ganhou do Irã, por 1 a 0 aos 90 minutos; venceu a Nigéria por 3 a 2. Então enfrentou a Suíça, que só foi capaz de derrotar aos 118 minutos. Ganhou da Bélgica por 1 a 0. E a Holanda foi vencida nos pênaltis em uma das partidas mais soporíferas da Copa do Mundo.

Nessa altura, a Argentina sentia-se capaz de tudo. O país surfava numa onda de otimismo. Parecia uma coisa de loucos considerando que a Alemanha acabava de marcar 7 gols contra o Brasil. Mas chegou a final e a Argentina poupou a vida da Alemanha até três vezes. Com Di Maria no banco. Com meio Messi. E lá estavam eles, a um passo da glória graças a essa loucura.

A que se deve essa overdose de confiança tão necessária no futebol? Dizem que está nos genes. Por quê? Há muitas respostas. Mas vamos ficar com a que arriscou um dos argentinos mais ilustres, Domingo F. Sarmiento, em seu Facundo, nos idos de 1845, quando o país tinha apenas 30 anos no mundo: "Este hábito de triunfar com as resistências, de se mostrar sempre superior à natureza, desafiá-la e derrotá-la, expõe prodigiosamente o sentimento da importância individual e da superioridade. Os argentinos, de qualquer classe que sejam, civilizados ou ignorantes, têm plena consciência do seu valor como nação; todos os demais povos americanos jogam-lhes na cara essa vaidade, e se mostram ofendidos por sua presunção e arrogância. Acho que a acusação não é de todo infundada, e não me lamento por isso. Ai do povo que não tem fé em si mesmo! Para esse não foram feitas as grandes coisas".

Mais informações

Arquivado Em

Recomendaciones EL PAÍS
Recomendaciones EL PAÍS