_
_
_
_
_

A música que irrita o Brasil

A torcida argentina canta o tempo todo e sua letra diz assim: “Brasiiiiil deciiiíme que se sienteeeee”.

Torcedores argentinos com a máscara do Papa Francisco e de Messi.
Torcedores argentinos com a máscara do Papa Francisco e de Messi.Silvia Izquierdo (AP)

Metrô de São Paulo, a caminho do Itaquerão, onde dali a meia hora Holanda e Argentina disputariam a segunda semifinal da Copa do Mundo de 2014. Um grupo de torcedores argentinos, todos com a camiseta de Messi, começam, em voz alta, a cantar a irritante música do momento, aquela feita para provocar os brasileiros em sua própria casa: “Brasiiiiiil, deciiiiíme qué se siente, al tener en casa a tu papá...”

Ainda não se passou nem um dia desde o funesto 7 a 1 que deixou o país arrasado. Alguns brasileiros, sentados no vagão, olham educadamente pela janela e a paisagem cinza de São Paulo durante a tarde, ou apenas olham para seu reflexo no vidro molhado; outros olham para os argentinos e sorriem com o canto da boca, numa expressão que pode significar muitas coisas. Mas ninguém contesta, ninguém responde. Depois de várias estações, é um torcedor holandês de seus 60 anos que, em um português arrastado mas compreensível, canta a música de resposta criada recentemente para os argentinos, que faz alusão ao numero de Copas do Mundo do Brasil (5) diante das da Argentina (2). Pelo fato de a música ser menos pegajosa que a argentina, de o holandês não ter muita graça e da torcida local ter pouca vontade de festejar, a tentativa fracassa, o holandês volta para um canto do vagão e os argentinos, sorridentes, voltam ao trabalho e gritam: “Brasiiiil, decíiiiime qué se siente”.

A torcida argentina canta o tempo todo: “Brasiiiiiil, deciiiiíme qué se siente, al tener en casa a tu papá..."

Um jornalista de São Paulo explicava havia alguns dias que nada poderia ser pior para o orgulho do país, agora ferido, que o fato de seus vizinhos do sul ganhassem a Copa do Mundo no domingo, no Maracanã. Se isso acontecer, a presidente Dilma Rousseff entregará a Copa do Mundo a Messi. “Vão falar disso pra sempre, imagina...”, acrescentou o jornalista.

Estádio Itaquerão, qualquer minuto do jogo entre Argentina e Holanda. A torcida argentina não se cansa, não para, não murcha. Eles cantam a música provocativa, mas também muitas outras. Aplaudem, gritam, se levantam, giram as camisetas no ar como se suas vidas estivessem ali, e talvez suas vidas estejam mesmo ali . São marcantes, alegres, incansáveis. Acreditam. Em várias partes do estádio, os torcedores holandeses, em minoria e menos barulhentos, tentam chamar a atenção. Mas fracassam.

Na saída do estádio, com o passaporte para a final na alma, os argentinos caminham em direção em metro. Alguns falam com os torcedores brasileiros, amigavelmente, outros sorriem para os holandeses, encolhem os ombros como se falassem “o futebol é assim”. Um homem de seus 40 anos com a camisa de Messi afirma, preocupado: “Alemanha será mais difícil”.

Na saída do metrô, a caminho de sua casa, um torcedor, sozinho, contagiado pela euforia argentina, percebe que está cantando em voz baixa. “Brasiiiiil, deciiiime qué se siente...”.

Arquivado Em

Recomendaciones EL PAÍS
Recomendaciones EL PAÍS
_
_